Translate

Compartilhe

https://www.facebook.com/deltan.dallagnol/videos/1384339188276453/

search este blog

  • Futuro Sorriso!

    Simião Célio posta vídeo para música Futuro Sorriso no YouTube

  • Reportando!

    6ª edição do AGORA SOMOS UM

  • Entrevista com Wallas Silva

    "Lutador de Muay Thai""

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2021

Quem é Rodrigo Pacheco, o novo presidente do Senado

 


Pacheco obteve 57 votos, contra os 21 da senadora Simone Tebet (MDB-MS). Ele chega à liderança da Casa contando tanto com uma declaração pública de "simpatia" do presidente Jair Bolsonaro quanto com o apoio de partidos da oposição, como PT e PDT.

Teve também o apoio de Alcolumbre, que o apresentou como alguém que não criaria problemas para o Planalto e garantiu o apoio de Bolsonaro ao candidato. Pacheco já viajou bastante com o presidente: integrou a comitiva presidencial em viagens ao Japão, China, Emirados Árabes Unidos, Catar e Arábia Saudita.

No entanto o senador Humberto Costa, líder do PT no Senado, disse ao Uol que Pacheco não teria compromisso com os interesses de Bolsonaro nem pautaria medidas de cunho autoritário do governo.

Pacheco angariou até mesmo apoio dentro do MBD, partido que tinha a própria candidata à presidência do Senado, Simone Tebet (MDB-MS).

Nascido em Rondônia, Pacheco fez carreira profissional e política em Minas Gerais, onde atuou como advogado e onde foi eleito deputado federal pelo MDB e depois senador pelo DEM.

Ao formalizar sua candidatura à presidência do Senado, Pacheco falou em "união" e disse que o Brasil precisa enfrentar as dificuldades trazidas pela pandemia.

Nesta segunda, disse à Globo News que a atuação legislativa deve "se pautar no trinômio saúde pública, crescimento econômico e desenvolvimento social". Pacheco já havia defendido, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, que se retomasse a discussão sobre a volta do auxílio emergencial ou sobre um aumento no Bolsa Família.

Herdeiro do ramo de transportes

Em Minas, a família de Pacheco é dona de empresas no ramo de transporte rodoviários, das quais ele é herdeiro.

No ano passado, o ex-deputado Arnaldo Silva Júnior, próximo ao senador Pacheco e assessor de seu gabinete, se tornou o novo diretor da ANTT (Agência Nacional de Transportes), órgão regulador da área de transporte — e que tem como uma das atribuições fiscalizar empresas do ramo, incluindo as da família de Pacheco.

O Ministério da Infraestrutura e a Secretaria-Geral da Presidência da República fizeram a nomeação, que contraria a Lei das Agências Regulatórias — pela lei, políticos não podem ser indicados à diretoria de órgãos reguladores. Silva Júnior não tem experiência no setor de transporte, mas a Secretaria-Geral da Presidência afirmou que ele "preenchia os requisitos para o cargo".

MSN

sexta-feira, 29 de janeiro de 2021

Concurso IBGE 2021 é autorizado com mais de 207 mil vagas para o Censo


 Grande notícia e novidade. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística foi autorizado a abrir o seu novo edital de concurso público (Concurso IBGE 2021). O documento autorizativo foi publicado no Diário Oficial da União desta sexta-feira, 29 de janeiro.

De acordo com o documento de autorização, estão previstos para o concurso do IBGE 2021, nada menos que três editais. Todas as autorizações da seleção foram dadas em uma única portaria.

O primeiro edital do concurso IBGE vai contar com mais de 207 mil vagas. As vagas serão para os mesmos cargos que foram oferecidos no último edital, divulgado em 2020, mas suspenso por conta da pandemia do novo coronavírus.

O novo documento de autorização, no entanto, conta com uma redução pequena de vagas, uma vez que o edital divulgado em 2020 contou com 208.695 vagas. Ou seja, o novo aval publicado em janeiro trouxe menos 1.675 vagas.

Além do grande edital com mais de 200 mil vagas, a portaria traz autorização para outros dois editais que serão publicados pelo IBGE em diferentes momentos, também visando a realização do Censo 2021.

Foi autorizado, ainda, um edital visando o preenchimento de 192 vagas, distribuídas entre os cargos de agente censitário de pesquisa por telefone – nível médio (180 oportunidades); e supervisor censitário de pesquisa e codificação – nível superior (12).

Por fim, o último edital conta com vagas para Codificador, com exigência de nível médio. Para o cargo foram autorizadas 120 vagas.

concurso IBGE 2021 vai contar, assim, com nada menos que 207.332 vagas no total. Veja a distribuição de vagas por cada cargo:

CargosVagasEscolaridadeRemuneraçãoEdital
Agente censitário municipal5.462Nível médioR$2.100 + R$458 (auxílio-alimentação) = R$2.558Previsão do 1º edital
Agente censitário supervisor22.676Nível médioR$1.700 + R$458 (auxílio-alimentação) = R$2.158Previsão do 1º edital
Recenseador180.557Nível fundamental*valor variável – a ver regiãoPrevisão do 1º edital
Agente Censitário de Pesquisas por Telefone180Nível médioa definirPrevisão do 2º edital
Supervisor Censitário de Pesquisas e Codificação12Nível superiora definirPrevisão do 2º edital
Codificador Censitário120Nível médioa definirPrevisão do 3º edital

Agora, com a nova autorização do concurso IBGE 2021, o novo processo de escolha para escolha da banca deve ser realizado. O Cebraspe é a grande favorita para organizar o edital com mais de 200 mil vagas, uma vez que em 2020 a banca já havia sido escolhida. Para os dois últimos editais, o processo de escolha da banca já está em andamento.

Concurso IBGE 2021

De acordo com a portaria autorizativa do concurso IBGE, os editais deverão ser publicado em até seis meses após a publicação da autorização, ou seja, até o fim de junho.

No entanto, a expectativa é que o primeiro edital de concurso IBGE seja publicado até março, assim como aconteceu no ano passado. Além disso, um outro fator que indica a publicação do edital em breve é o fato do Censo Demográfico ter previsão de começar em agosto.

Provas

O último edital divulgado em 2020 informou que as provas seriam publicadas em dois dias diferentes. Os exames seriam realizados nos 26 estados mais o Distrito Federal.

O edital permitia, inclusive, o candidato participar de vagas de outros estados ou municípios. Nesse caso, o candidato realizaria a prova em sua cidade/estado e, caso fosse aprovado, seria convocado para atuação na região de interesse.

Mesmo com a suspensão do concurso, é possível que o conteúdo e provas do concurso sejam mantidos. Desta forma, a avaliação pode contar com as seguintes disciplinas:

Agentes – 60 questões

  • Língua Portuguesa (dez);
  • Raciocínio Lógico Quantitativo (dez);
  • Ética no Serviço Público (cinco);
  • Noções de Administração/Situações Gerenciais (15); e
  • Conhecimentos técnicos (20).

Recenseador – 50 questões

  • Língua Portuguesa (dez);
  • Ética no Serviço Público (cinco);
  • Matemática (dez); e
  • Conhecimentos técnicos (25).

No Censo, todos os domicílios do país são visitados. Os recenseadores, com previsão de 180 mil vagas, coletam informações através de uma entrevista direta.

O contrato dos agentes terá duração de cinco meses. O recenseador, a princípio, terá missão de trabalhar por três meses.

concursos

quarta-feira, 27 de janeiro de 2021

Inep divulga hoje gabarito oficial do Enem 2020


 O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulga hoje (27) os gabaritos oficiais das provas objetivas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020. Os participantes poderão conferir as respostas corretas do exame no site do Inep e no aplicativo do Enem. 

O Enem impresso foi aplicado nos dois últimos domingos, dias 17 e 24 de janeiro. Os participantes resolveram questões objetivas de matemática, ciências da natureza, ciências humanas e linguagens. Fizeram também a prova de redação, a única subjetiva do exame.

Mesmo com os gabaritos em mãos, não é possível saber a nota no exame. Isso porque o Enem é corrigido com base na chamada teoria de resposta ao item (TRI), que leva em consideração, entre outros fatores, a coerência de cada estudante na própria prova.

Ou seja, se ele acertar questões difíceis, é esperado que acerte também as fáceis. Se isso não acontecer, o sistema entende que pode ter sido por chute. O estudante, então, pontua menos que outro candidato que tenha acertado as mesmas questões difíceis, mas que tenha acertado também as fáceis. 

Notas finais

A previsão para a divulgação dos resultados finais é dia 29 de março. Nessa data os participantes saberão também quanto tiraram na redação. Mas, apenas depois da divulgação do resultado, em data ainda a ser definida, os candidatos terão acesso à correção detalhada da prova de redação

Ao todo, segundo o Inep, cerca de 2,5 milhões de candidatos fizeram as provas este ano, número que representa menos da metade dos participantes inscritos nas provas. O Enem 2020 terá ainda uma versão digital, que será aplicada nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro. 

As notas poderão ser usadas para acessar o ensino superior e participar de programas como o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) - que oferece vagas em instituições públicas - Programa Universidade para Todos (ProUni) - que oferece bolsas de estudo em instituições privadas - e, Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), que oferece financiamento a condições mais vantajosas do que as de mercado. 

Logística

Após a aplicação do exame no último domingo (24), começou a chamada etapa de logística reversa. Nela, os chefes de sala conferem os cartões-resposta e as folhas de redação e de rascunho dos candidatos presentes e ausentes. Esse material é colocado em malotes que são enviados para as centrais de correção do consórcio aplicador.

Segundo o Inep, o processo é feito com escolta militar. Os veículos usados no transporte dos malotes são monitorados por satélite e contam com um sistema de segurança máxima da carga transportada. A realização do Enem, antes e após a aplicação, envolve o Exército, a Polícia Civil, Polícia Militar, Bombeiros, a Polícia Federal, as secretarias de Segurança e a Polícia Rodoviária Federal.

Quando recebe os malotes, o consórcio aplicador digitaliza os cartões com as respostas e as folhas de redação. Os arquivos digitalizados das redações são repassados às equipes responsáveis pela correção dos textos. O Inep explica que, para garantir isonomia na correção, as redações são enviadas aos mais de 9 mil corretores sem a identificação dos participantes.

A correção das provas objetivas é feita por meio de uma tecnologia de reconhecimento do cartão-resposta. O cálculo da nota, usando a TRI, é feito pelo consórcio aplicador e pelos pesquisadores do Inep, que também são responsáveis pela conferência e a solução de eventual discrepância.

Reaplicação 

O Enem ocorreu em meio à pandemia do novo coronavírus e, por isso, foi adotada uma série de medidas de segurança, como o uso obrigatório de máscaras. Os participantes que estivessem com sintomas de covid-19 ou outra doença infectocontagiosa não deveriam comparecer aos locais de prova. Esses estudantes poderão fazer o exame na data da reaplicação, nos dias 23 e 24 de fevereiro.

Para isso, aqueles que ainda não o fizeram têm até o dia 29 para solicitar a reaplicação na Página do Participante. Podem também pedir para participar da reaplicação os candidatos que foram prejudicados por questões logísticas, como falta de água ou luz e aqueles que foram impedidos de fazer o exame porque as salas estavam lotadas e era preciso garantir o distanciamento entre os participantes. Segundo o Inep, isso ocorreu em pelo menos 37 escolas de 11 cidades.

As provas foram canceladas no estado do Amazonas, em Rolim de Moura (RO) e em Espigão D'Oeste (RO) por causa da pandemia. Esses estudantes também deverão fazer o exame na data da reaplicação. Eles não precisarão solicitar a participação. Segundo o Ministério da Educação, foram cerca de 20 ações judiciais em todo o país contrárias à realização do exame.

AgênciaBrasil

Bolsonaro apela para caminhoneiro não realizar greve e avalia medidas no diesel

 

O presidente da República, Jair Bolsonaro, fez nesta quarta-feira um apelo aos caminhoneiros para que desistam da paralisação da categoria, programada para a semana que vem. Ele confirmou a intenção do governo de reduzir tributos sobre o diesel para aliviar a pressão do reajuste do combustível sobre o bolso dos caminhoneiros, mas ressaltou que “não é uma conta fácil de ser feita”. Cada centavo de redução no PIS/Cofins sobre o diesel teria impacto de R$ 800 milhões nos cofres públicos. “Reconhecemos o valor dos caminhoneiros para a economia, apelamos para eles que não façam greve, que todos nós vamos perder”, pediu o presidente.

Bolsonaro esteve nesta quarta com o ministro da Economia, Paulo Guedes, na sede da pasta. A reunião não estava na agenda oficial de nenhum deles. No encontro, um dos assuntos foi justamente a possibilidade de compensar os caminhoneiros pelo aumento no preço do diesel.

“Estamos estudando medidas. Agora não tenho como dar uma resposta de como diminuir o impacto, na verdade foram R$ 0,09 (de aumento) no preço do diesel (na refinaria). Para cada centavo no preço do diesel que por ventura nós queremos diminuir, no caso o PIS/Cofins, equivale a buscarmos em algum outro local R$ 800 milhões. Então não é uma conta fácil de ser feita”, afirmou o presidente.

Como mostrou o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), técnicos ressaltam que o corte no PIS/Cofins só vai adiante se houver compensação, ou seja, elevação de outro tributo ou corte de subsídio. As opções ainda estão sendo analisadas pela área econômica. Há quem seja contra a medida por considerar que resolve a questão apenas no curtíssimo prazo, sem afastar risco de novos reajustes nos preços.

Bolsonaro disse que a Petrobras dá reajustes conforme o preço do petróleo no mercado internacional e a cotação do dólar. “Ontem tivemos boa notícia, dólar baixou 20 centavos”, afirmou.

Istoé

Padres e pastores pedem impeachment de Bolsonaro: “Usa nome de Deus de forma desonesta”


Um pedido de impeachment assinado por mais de 380 lideranças da igreja católica e de diversas denominações evangélicas foi apresentado na tarde desta terça-feira (26) na Câmara dos Deputados. A articulação surgiu a partir de diversos grupos religiosos e o objeto central do pedido é a ação do governo

Um dos signatários do pedido, o monge menonita Marcelo Barros - teólogo ligado à Teologia da Libertação - afirmou que Jair Bolsonaro, desde sua campanha, tem se beneficiado da divulgação de notícias falsas e da “utilização absolutamente desonesta da religião, de Deus e da Fé”.

Um dos gritos dessa força que trouxe o atual presidente ao poder era “Deus acima de todos”. Muitos religiosos e religiosas das mais diversas religiões precisavam vir a público para dizer que não estamos de acordo com esta instrumentalização da religião”, disse. 

“Não podemos nos colocar nesta mesma fileira de pastores padres e até cardeais católicos que apoiam o pior, que foram contra a democracia, porque no segundo das eleições [de 2018] não se tratava mais de um partido contra outro; era a democracia, mesmo problemática que temos, ou a barbárie”, afirmou.

Barros disse ainda que a ação do governo diante da pandemia, que incentivou ações que levaram pessoas à morte, fez crescer ainda mais a articulação de religiosos que sentiram a necessidade de agir. 

“Jesus não assinou contrato de exclusividade com nenhum padre, cardeal ou pastor”, afirmou.

CongressoemFoco

Veja a íntegra do pedido

Brasil ultrapassa marca de 1 milhão de vacinados contra Covid-19


 SÃO PAULO, 27 JAN (ANSA) – O Brasil ultrapassou a marca de 1 milhão de pessoas vacinadas contra a Covid-19 nesta terça-feira (26), conforme dados divulgados pelo portal Covid-19 no Brasil (coronavirusbra1.github.io/).

Às 8h desta quarta-feira (27), eram exatamente 1.045.746 os imunizados em todo o país. Estado mais populoso, São Paulo é o que mais vacinou contra o coronavírus Sars-CoV-2, com 198.021.

Na sequência, aparecem Rio de Janeiro (134.888), Bahia (101.446) e Rio Grande do Sul (97.121).

Istoé

sábado, 23 de janeiro de 2021

Presidente do Inep garante reaplicação do Enem para barrados: “Não vamos exigir provas”

 

O presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Alexandre Lopes, afirmou, em entrevista ao Metrópoles, que os estudantes barrados durante o primeiro dia de provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), no domingo (17/1), poderão fazer os testes nos dias 23 e 24 de fevereiro.

“A gente não vai exigir do participante uma prova [de que ele foi barrado]. Basta ele entrar na página, na internet, e fazer a solicitação. Vamos comparar com as informações registradas na ata da sala para conceder a reaplicação. O participante não vai ser prejudicado, ele não precisa ter um documento, um comprovante, nada”, afirmou (confira a partir de 16′).

De acordo com o presidente do Inep, todos os incidentes logísticos serão reportados em atas preenchidas pelos responsáveis pela aplicação das provas. “Serão 201 mil atas de 201 mil salas de aplicação”, disse. De acordo com Lopes, os documentos serão analisados a fim de apurar o que ocorreu para estudantes inscritos terem sido impedidos de fazer o exame por não haver cadeiras suficientes – dentro das regras de distanciamento com o objetivo de evitar a disseminação da Covid-19 – nos locais de prova. “A posição final e oficial só será definida após a leitura das atas.”

“Durante a aplicação das provas, em contato com os coordenadores, foram reportadas 11 situações em que isso teria acontecido. Estamos apurando se isso aconteceu em mais lugares”, explicou. As solicitações para ter acesso à reaplicação da prova poderão ser feitas a partir do dia 25 de janeiro. “Essas pessoas não perderam o Enem 2020”, garantiu o presidente do Inep.

Além dos jovens barrados, farão as provas na data de reaplicação os estudantes do estado do Amazonas – onde uma decisão judicial impediu a realização do exame – e os inscritos contaminados ou com sintomas de Covid-19. De acordo com o presidente do Inep, 8.180 alunos já relataram não terem comparecido aos locais de prova no último domingo por estarem com a doença.

Aglomerações

O presidente do Inep afirmou que, apesar das cenas de aglomeração de estudantes dentro e fora dos locais de prova no domingo, os protocolos de segurança serão mantidos. “O planejamento segue o mesmo. A abertura dos portões permanece com meia hora de antecedência, porque as provas só são distribuídas no próprio dia”, disse.

“Nós entramos em contato com as autoridades locais, com as forças de segurança, para que ajudassem a dispersar as pessoas antes da abertura [dos portões]. Mas são seres humanos. A gente solicita, a gente orienta, a gente pede a compreensão das pessoas neste momento de pandemia”, afirmou.

Metropole