Translate

Compartilhe

https://www.facebook.com/deltan.dallagnol/videos/1384339188276453/

search este blog

  • Futuro Sorriso!

    Simião Célio posta vídeo para música Futuro Sorriso no YouTube

  • Reportando!

    6ª edição do AGORA SOMOS UM

  • Entrevista com Wallas Silva

    "Lutador de Muay Thai""

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Comissão da Câmara tentará votar projeto da 'Escola sem Partido'

Uma das principais bandeiras de aliados do presidente eleito Jair Bolsonaro, o projeto de lei apelidado de "Escola sem Partido" poderá ser votado pela Câmara nesta quarta-feira (31). O texto está em uma comissão especial e, se for aprovado neste colegiado, poderá seguir direto para o Senado, a não ser que 52 deputados requeiram que o tema seja analisado pelo plenário da Câmara.

A comissão analisará o parecer do relator, deputado Flavinho (PSC-SP). O relatório produzido pelo parlamentar estabelece que cada sala de aula deverá ter um cartaz especificando seis deveres do professor, como "não cooptar os alunos para nenhuma corrente política, ideológica ou partidária".

O projeto também altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação para que disciplinas que tenham como parte de seu conteúdo questões de gênero ou que tratem sobre orientação sexual sejam proibidas nas escolas.

Ferrenha opositora à proposta, a deputada Érika Kokay (PT-DF) afirmou que o grupo parlamentar contrário ao texto tentará obstruir a sua votação na comissão. A última tentativa de votar a proposta aconteceu em julho e foi interrompida pela obstrução da oposição. Informações R7

“Todo mundo fique sabendo disso: Deus não existe!”, diz Caio Fábio (VÍDEO)

O reverendo Caio Fábio fez uma explanação sobre quem Deus é e afirmou categoricamente que “Deus não existe” porque não se encaixa nas noções de existência que a humanidade desenvolveu ao longo dos tempos, e assim destacou a eternidade do Criador como prova de sua natureza.

“Se Deus está para além dos tópicos averiguáveis, Deus não existe. E todo mundo fique sabendo disso para sempre: Deus não existe! Existe tudo que Ele fez depois que houve o big bang, porque Ele disse ‘haja’, e houve. Essas coisas existem, mas Deus está fora da existência. Se Deus é contado na existência, Deus não é Deus, Deus é uma coisa. Deus é uma energia que faz parte do universo. Mas, [isso] não é Deus”, disse Caio Fábio em um de seus programas veiculados pelo YouTube.

“O Deus verdadeiro é invisível, inescrutável, inatingível, inimaginável, inconcebível e absolutamente absurdo. E tudo que existe, existe n’Ele. O que existe n’Ele é finito, portanto é estudável, portanto existe. Ele, todavia, é Eterno”, acrescentou o pastor, aprofundando a compreensão bíblia sobre Deus. Informações gospel+

Veja quais ministérios já foram definidos por Bolsonaro

Durante sua campanha eleitoral, o presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou que pretendia ter 15 ministérios em seu governo. Confirmado o resultado, sua equipe começou as reuniões nesta semana para traçar um desenho do novo governo e já definiu quais serão as pastas. Informações dadas pelo jornal O Globo mostram quais serão cada uma delas, que podem chegar ainda a 17.

Alguns dos ministérios serão unidos em uma única pasta, como no caso da Economia, que englobará a Fazenda, o Planejamento e a Indústria e Comércio Exterior. O Ministério da Agricultura também entrará nessa união. Já algumas pastas continuarão sendo apenas um ministério, como nos casos da Saúde e do Trabalho.

Veja como o governo de Jair Bolsonaro planeja ter seus ministério:
  1. Casa Civil – que irá assumir as funções do Governo
  2. Economia – englobando Fazenda, Planejamento e Indústria, Comércio Exterior
  3. Defesa
  4. Saúde
  5. Ciência e Tecnologia (irá cuidar do ensino superior)
  6. Educação, Esportes e Cultura
  7. Trabalho
  8. Minas e Energia
  9. Justiça e Segurança
  10. Integração Nacional (terá Cidades e Turismo)
  11. Infraestrutura (terá Transportes)
  12. Gabinete de Segurança Institucional
  13. Desenvolvimento Social (terá Direitos Humanos)
  14. Relações Exteriores
  15. Agricultura e Meio Ambiente

ÁUDIO | “Espírito de violência foi liberado sobre nossa nação e haverá derramento de sangue”, alerta Helena Tannure

Um áudio da pastora Helena Tannure tem sido compartilhada nos grupos de intercessores de todo o Brasil fazendo um alerta para todos os brasileiros de fé, para que orem e intercedam pela batalha que virá após a eleição de Jair Bolsonaro.

Segundo a pastora, os opositores do presidente eleito com mais de 57 milhões de votos realizarão uma série de atos e muito sangue será derramado no solo brasileiro.

“Queria despertar vocês, minhas irmãs queridas, para necessidade que nós temos agora, mais do que nunca, de nos unirmos em intercessão fervorosa pelo tempo que o Brasil tem pela frente. Deus tem nos entregado palavras sobre um espírito de violência que foi liberado sobre a nossa Nação e inclusive sangue de jovens será derramado sobre o solo brasileiro”, declarou.

Tannure pede a todas as intercessoras daquele grupo de mulheres para que elas dobrem seus joelhos e façam jejum pelo país. Falando sobre a eleição, a pastora ensina que a vitória de Bolsonaro, que foi apoiado por muitas igrejas evangélicas, não é o fim de uma batalha, mas sim o início de uma grande luta espiritual.

“Não considerarmos a vitória do Jair Bolsonaro como fim de uma batalha muito pelo é o início de uma ele vai precisar de todas as nossas orações jejuns e súplicas”, ensina.

A pastora pede duas frentes de oração, a primeira delas para que Bolsonaro possa governar tendo o coração inclinado para ouvir a voz de Deus, ainda que não haja um “salvador da Pátria”, como ela mesma diz no áudio que você ouvirá a seguir.

A segunda frente de oração deve ser feita contra a violência. “Muitos jovens doutrinados no espírito de violência tão incoerente que, com medo da violência e do discurso de ódio, é exatamente o discurso de ódio que tem sido propagado após o resultado dessas eleições e a promessa de retaliação e de resistência. A gente sabe que umaresistência pode ser violenta e pode gerar violência”, completou. Informações jmnoticias
Ouça o áudio:

ELEITO | ABÍLIO SANTANA FALOU DE SUAS PRETENSÕES COMO DEPUTADO FEDERAL (vídeo)

O candidato do PHS, Pastor Abílio Santana obteve 50.345 votos totalizados (0,73% dos votos válidos) e foi eleito Deputado Federal na Bahia no 1º turno das Eleições 2018
José Abílio Silva de Santana

No início do mês de janeiro, deste ano de 2018, o Deputado eleito, Pr. Abílio Santana, esteve ministrando na cidade de Vitória da Conquista-BA, (Cidade onde obteve 577 votos) no Ministério Pentecostal Nova Aliança, localizado no bairro Jardim Valéria. Nosso blog esteve presente no evento, e pode ao final dos trabalhos eclesiásticos bater um papo com então candidato eleito Pr. Abílio Santana, e saber sobre seu posicionamento político. Acompanhe a entrevista completa no vídeo e veja quais são algumas das pretensões do Deputado Federal Pr. Abílio Santana, no exercício do seu mandato.

Endurecimento da lei antiterrorismo tem votação adiada no Senado


Brasília
Na semana em que Jair Bolsonaro (PSL) foi eleito presidente da República, senadores tentaram dar andamento a um projeto que endurece a lei antiterrorismo. Mas, depois de mobilização de partidos de esquerda, a votação da matéria foi adiada.

De autoria do senador Lasier Martins (PSD-RS), a proposta tem relatoria do senador Magno Malta (PR-ES), um dos principais aliados de Bolsonaro. O texto, que estava parado na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado há mais de dois anos, entrou em debate nesta quarta-feira (31).
O projeto altera pontos da lei que tipificou o crime de terrorismo, de 2016. Na época, a norma foi sancionada com vetos pela então presidente Dilma Rousseff.

Agora, a proposta tenta restabelecer trechos que foram vetados. Entre eles, um dispositivo que define como ato de terrorismo incendiar meios de transporte, como ônibus, ou “intimidar certas pessoas, grupos de pessoas ou a população”.
O texto também estabelece penas de cinco a oito anos de prisão a quem abrigar pessoa que tenha praticado crime de terrorismo, se tiver conhecimento do ato.

Por iniciativa de Magno Malta, que mudou o projeto em seu relatório, a nova norma também tipificaria como terrorismo atos relacionados a “motivação política, ideológica ou social” que possam colocar em perigo a liberdade individual.
“Isso é um violento atentado à democracia. Em cima desse texto, podem prender militantes de movimentos estudantis, movimentos sindicais, estamos criminalizando o MST”, disse o senador Lindbergh Farias (PT-RJ).

Senadores se preparavam para votar a matéria na CCJ nesta quarta. Se fosse aprovada, por tramitar em caráter terminativo, iria direto para votação na Câmara sem passar pelo plenário, a menos que fosse apresentado um recurso por parlamentares.

Na reunião, porém, senadores de partidos de esquerda apresentaram e conseguiram aprovar um pedido para que seja feita uma audiência pública antes da votação do texto. O novo encontro ainda não tem data e deve ser feito nas próximas semanas.

“Esse tema já foi debatido, esse projeto não é novo, debater se queimar patrimônio público é crime ou não, não sei o que posso pensar. Como relator, sou contra [a audiência pública]”, disse Magno Malta.

por: Bernardo Caram folha.uol.com.br

“Que Deus possa usá-lo para ajudar o nosso país”, diz Neymar sobre vitória de Bolsonaro (vídeo)

O atacante Neymar, do Paris Saint-Germain e da Seleção Brasileira, comentou a vitória de Jair Bolsonaro nas eleições presidenciais no último domingo, 28 de outubro, e disse esperar que Deus o use para que o país seja melhor no futuro.

A declaração de Neymar foi dada em entrevista coletiva após o jogo do PSG contra o Olympique de Marselha, quando venceu a partida válida pelo Campeonato Francês por 2×0.

“Espero que Deus possa usá-lo de alguma maneira para ajudar o nosso país e que seja feita a vontade do cara lá de cima”, disse o jogador, que ao longo da campanha presidencial decidiu não se envolver em nenhuma polêmica, de acordo com informações da Agence France Presse.

Lucas Moura

Diferente de Neymar, o meia Lucas Moura, do Tottenham, terminou criticado por grande parte da imprensa e de torcedores por declarar seu apoio a Jair Bolsonaro publicamente.

O atleta, que foi eleito em agosto o melhor jogador da Liga Inglesa, usou o Twitter para curtir publicações ligadas ao então candidato, e foi criticado por seus fãs. Em resposta, questionou: “Não tenho direito de ter minha opinião, de me posicionar e me preocupar com meu país?”.

Lucas, que foi formado no São Paulo e se converteu ao Evangelho enquanto era jogador do Paris Saint-Germain, afirmou ainda que as críticas à atuação de Bolsonaro no Parlamento eram feitas de forma rasa: “Imagina um honesto no meio de milhares de corruptos, deve ser bem facinho pra aprovarem alguma ideia dele né. Pelo menos não vejo mesmice nas propostas e discursos dele”, rebateu.

MG: Minas registra terceira depredação de igrejas em quatro dias

Uma onda de violência contra templos cristãos no país tem chamado a atenção dos líderes e assustado fieis. Templo pichados, depredados e bens destruídos são o retrato do início de uma perseguição mais acirrada as cristãos no Brasil por causa de sua posição conservadora bem definida no processo eleitora que culminou na vitória de Jair Bolsonaro.

Onda em Minas

Mais uma depredação ao patrimônio cultural e religioso de Minas foi registrada em Minas Gerais. Desta vez, o crime aconteceu em outro templo católico, na Igreja São José, em Ituí, na zona rural de São João Nepomuceno, na Região da Zona da Mata. O templo religioso foi invadido e a imagem de Nossa Senhora Aparecida foi quebrada. A Arquidiocese de Juiz de Fora acredita que o ato tenha sido cometido por intolerância religiosa. O registro do boletim de ocorrência será feito ainda nesta terça-feira. Este foi o terceiro caso de vandalismo somente nos últimos quatro dias.

O crime aconteceu no último fim de semana, mas só foi descoberto nessa segunda-feira. De acordo com a assessoria de imprensa da arquidiocese de Juiz de Fora, duas pessoas chegaram na igreja e notaram uma das portas arrombadas. Eles fizeram uma varredura no local e verificaram que nenhum objeto foi furtado.
Porém, encontraram a imagem de Nossa Senhora de Aparecida, que ficavam em um andor, jogada no chão. A peça ainda estava enrolada em um pano amarela e com um terço preso. A parte debaixo se desprendeu, e com o impacto. Os danos deixaram vários cacos da imagem espalhados pelo chão da igreja.

A arquidiocese de Juiz de Fora informou que vai registrado o boletim de ocorrência ainda nesta terça-feira sobre o caso. A hipótese levantada é de um ato por intolerância religiosa. O invasor ainda não foi identificado.

Onda de violência

Esse foi o terceiro ato de vandalismo ao patrimônio cultural e religioso em Minas Gerais. Na madrugada de domingo, em São João del-Rei, um estudante de psicologia, de 21 anos, natural de Jundiaí (SP), se tornou suspeito de ter subido na porta da Igreja de Nossa Senhora do Carmo, de 1732, e quebrar um anjo barroco em pedra-sabão e outros adornos que compõem a entrada do templo. O imóvel está localizado na Praça Deputado Augusto das Chagas Viegas, no Centro Histórico.

No sábado, em Conselheiro Lafaiete, na Região Central de Minas, a imagem centenária de Nossa Senhora das Graças, de origem francesa e feita em gesso, se transformou em cacos quando um jovem de 18, aproveitando que o templo estava vazio, entrou na Igreja de São Sebastião e puxou do altar lateral a peça de 1,20 metro de altura. Na noite anterior, a mesma pessoa foi acusada de quebrar vidros do Posto de Saúde da Família (PSF) do Bairro Alto do Guarani, na mesma cidade.  

Templos evangélicos na mira


A greja Assembleia de Deus da cidade de Moreno, na Grande Recife (PE), amanheceu pichada nesta segunda-feira (29) com frases contra o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).
Palavras ofensivas, palavrões e frases de apoio ao PT mostravam o descontentamento do grupo com o resultado das urnas. Na lateral da igreja, o grupo ainda escreveu: “Lula livre”.
A igreja preferiu não emitir nota a respeito do ocorrido.

Ao longo da campanha eleitoral, várias igrejas evangélicas foram alvos de depredação, pois muitos líderes religiosos resolveram apoiar Bolsonaro como candidato. Os grupos contrários a ele, não satisfeitos, resolveram atacar as igrejas.

A destruição de bem cultural protegido é crime previsto no art. 62 da Lei 9605/98. Os autores da infração estão sujeitos a pena de reclusão de um a três anos de prisão, e terão que pagar multa. Além disso, têm a obrigação de restaurar o bem danificado.

Com informações EM

SP: Oito pessoas são presas em protesto contra Jair Bolsonaro

Nesta terça-feira (30), a Polícia Militar de São Paulo prendeu oito pessoas durante uma manifestação contrária ao presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) na Avenida Paulista, na capital de São Paulo.

Duas delas foram flagradas por roubo e outras seis por vandalismo a uma agência bancária do Bradesco e uma do Itaú. Os casos aconteceram nos momentos finais do protesto. Além da depredação às agências bancárias, os criminosos também montaram uma barricada no meio da via, que foi retirada pela polícia.
O ato, acionado nas redes sociais, foi acionado pelas entidades Povo Sem Medo, MTST, UNE e sindicatos contrários ao presidente. Mesmo sem ter tomado posse ainda, Bolsonaro enfrenta cobranças para respeitar a Constituição e os valores democráticos.

Um dos organizadores era o candidato derrotado Guilherme Boulos (PSOL). Ele acusou, em seu Twitter, o eleito de ameaçar os movimentos sociais e afirmou fazer “resistência”.

– Bolsonaro foi eleito presidente. Mas não imperador. Não pode passar por cima dos valores democráticos, da liberdade de manifestação e expressão. Precisa respeitar a oposição e os movimentos sociais, não ameaçá-los. Por isso estaremos nas ruas, pelas liberdades democráticas e por nossos direitos. Essa resistência é legítima e não iremos silenciar diante de qualquer ataque. Vamos sem medo! – escreveu Boulos. Informações pleno.news

terça-feira, 30 de outubro de 2018

Café com Pastores: Líderes de Conquista, se reúnem e discutem projetos!

O café com pastores aconteceu nesta segunda -feira (29), na Igreja Resplendor em Cristo, no bairro Jurema em Vitória da Conquista, que é pastoreada por Emerson Spinelli. O objetivo é reunir pastores da cidade , no intuído de conhecer uns aos outros, trocar experiencias , elaborar atividades de interesse da comunidade cristã evangélica conquistense , dentre outros .

O Comec  , que é a ordem de pastores e ministros de Vitória da Conquista , que é presidida pelos pastores : Sebastião Quintino e Orlando Filho .
O café de hoje foi maravilho , em todos os sentidos, tanto nas guloseimas quanto ao aprendizado . Pastores de diversos ministérios estiveram presentes .


Períodos de louvor, oração, palavra e orientação.







O pastor Dilson Soares Dias da Igreja Metodista , falou sobre monumento na praça da bíblia e será de granito , e que custará 30 mil reais .  Vale salientar que todas as denominações estarão arrecadando o valor !
O  Pr . Evandro Cunha Trindade, do Ministério Comunidade Cristã, trouxe uma palavra de reflexão baseada em Êxodo 18 vr. 12 .
O pastor Orlando Filho , falou sobre a semana da cultura evangélica (SCE), que já está as portas
O portal Conquista Gospel , agradece á direção, pelo convite , nossa equipe se sentiu honrada .
Redação: Mateus Araujo | Fonte: blitzconquista/portalconquistagospel

Daciolo no The Noite: “Eu era mulherengo e beberrão”

O candidato à Presidência derrotado Cabo Daciolo (PATRI) participou do programa The Noite desta segunda-feira (29). Na conversa com Danilo Gentili, o político falou sobre sua corrida presidencial, que lhe concedeu destaque nacional.

– Não considero que eu perdi. Independentemente do resultado, eu me sinto vitorioso. Eu tenho visualizado que o povo tem clamado a Deus. Vi que o povo está falando “Glória a Deus” (seu bordão), então existe vitória no Céu. O povo está sofrendo muito e só quer ser tratado com um pouquinho de dignidade – declarou.

Durante a entrevista, Daciolo também falou sobre sua fé e momento de conversão. Com bom humor, ele revelou que “luta contra a carne todos os dias”.
– Eu baguncei bastante. Aceitei a Jesus Cristo com 27 anos. Existe uma luta diária, eu era muito mulherengo e beberrão – declarou.

CAMPANHA, URNAS, NOVA ELEIÇÃO
Daciolo também discorreu sobre a luta contra a corrupção que vê dentro da política e afirmou que o baixo custo de sua campanha, o menor dentre os presidenciáveis, “foi para mostrar para o povo que nós podemos estar lá dentro sem se corromper”.

Ele afirmou que acredita que as urnas eletrônicas são fraudadas e, por isso, optou por não votar. Além disso, afirmou que nem Bolsonaro (PSL) e nem Haddad (PT) o representam, mas que “ora muito por eles”. No domingo (28), dia do pleito do segundo turno, Daciolo estava em Jerusalém, Israel. Ele também falou sobre as próximas eleições.

– Eu creio que não voltaria a me candidatar a nenhum cargo que não fosse a Presidência da República, mas meu momento agora é o silêncio – declarou. Informações pleno.news

Bolsonaro faz 1ª reunião sobre “desenho” do novo governo

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), realiza sua primeira reunião a respeito do novo governo nesta terça-feira (30). Ele foi visto saindo de sua casa na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro, com políticos de seu núcleo de campanha.

O ex-presidente do partido, Gustavo Bebianno, falou rapidamente com jornalistas na saída e afirmou que o grupo irá discutir o novo governo. Bebianno havia pedido para sair do cargo pouco depois da eleição de Bolsonaro para auxiliar o novo presidente.

– Estamos estudando alguns nomes para os ministérios. A composição da equipe que vai trabalhar dentro do Palácio. A prioridade é a conclusão da montagem da equipe – declarou.
Durante sua campanha, uma das promessas de Bolsonaro foi a diminuição do número de pastas. Bebianno estipulou que serão cerca de 15.
– Em torno de 15 ministérios. Os nomes já temos mais ou menos metade disso – assinalou. Informações pleno.news

Governo convida igrejas para propor medidas de ressocialização de ex-presidiários

A contribuição das igrejas para a ressocialização de ex-presidiários é algo notável não apenas no Brasil, mas em vários países do mundo. Isto se deve ao caráter inclusivo, especialmente da fé cristã, que não faz distinção entre pessoas e encara cada ser humano como uma nova criatura em potencial, após a aceitar a Cristo como único e suficiente Salvador.

Além disso, a criação de medidas socioeducativas, como cursos profissionalizantes, de capacitação, palestras motivacionais, oferta de recursos humanos e outras iniciativas de âmbito assistencial, fazem das igrejas um importante canal de apoio para quem mais precisa recomeçar após uma vida de criminalidade e exclusão.

Pensando nisso, o Ministério da Segurança Pública está realizando uma série de encontros com líderes religiosos, visando discutir o tema: “Como egressos do sistema prisional podem ser apoiados por projetos de igrejas e organizações sociais religiosas?”.

A ideia é ouvir das lideranças propostas de ressocialização dos ex-presidiários. O pastor Welinton Pereira, da Aliança Evangélica, assessor do Núcleo de Direitos Humanos e Advocacia da entidade, que também exerce a função de Diretor Adjunto da Visão Mundial, esteve presente na última reunião ocorrida no dia 12 de setembro, em Brasília.

A Visão Mundial propôs a criação de uma rede de igrejas atuante nos presídios, com apoio do Estado e recursos do Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN), por meio de edital, segundo informações da Aliança Evangélica.

Com uma população de 726.712 pessoas encarcerados, uma das três maiores do mundo, a meta do Ministério da Segurança Pública é que a parceria com instituições religiosas possam ajudar na ressocialização dos ex-detentos, o que contribui para diminuir os índices de regresso ao mundo do crime, contribuindo no futuro com a redução do encarceramento.

Outra ação do Ministério foi a criação da lei que institui a Política Nacional de Segurança Pública e Defesa Social (PNSPDS), visando promover “as ações de prevenção e resolução pacífica de conflitos, priorizando políticas de redução da letalidade violenta, com ênfase para os grupos vulneráveis”. Informações gospel+


STF decidirá se Bolsonaro pode assumir mandato, diz ministra Rosa Weber

A ministra Rosa Weber, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e integrante do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou que a Suprema Corte do país deverá analisar se o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) poderá assumir o mandato em 01 de janeiro de 2019, já que é réu num processo que investiga o desentendimento com a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS).
Bolsonaro é acusado pela colega de Câmara dos Deputados de ter feito incitação ao estupro e ao ódio após dizer que não a estupraria porque ela “não merece”. O destempero do parlamentar foi uma reação à acusação, sem provas, feita por Maria do Rosário de que o capitão do Exército seria um estuprador. A discussão, na ocasião, se deu por conta do estupro e assassinato da jovem Liana Friedenbach por um menor de idade, conhecido como “Champinha”.

Agora, Rosa Weber afirmou durante entrevista coletiva no TSE, que o STF deverá analisar se o presidente eleito poderá ou não ser empossado, uma vez que é réu e a própria Corte decidiu que réus não podem estar na linha sucessória do presidente da República.
O imbróglio jurídico se dá porque ocupantes de cargos eletivos no Parlamento podem substituir o presidente em caso de vacância do cargo, e o STF decidiu em 2016 que os presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado não podem ser réus em ações penais.
De acordo com informações do portal Conjur, Weber destacou na coletiva que as “eleições ocorreram dentro da mais absoluta normalidade com as intercorrências próprias do processo eleitoral em país de dimensões continentais como o nosso”, e que os processos envolvendo as duas chapas que concorreram à Presidência da República serão concluídos em breve: “Todas as ações de investigação judicial eleitoral comportam um período de instrução probatória e o nosso corregedor, na condução do processo, vai aferir a necessidade das provas que demandarão maior ou menor tempo”, disse a presidente do TSE. Informações gospel+

EXCLUSIVO | CLARA & ISABELA ESTREIAM QUADRO MUSICAL NO CANAL - Cê Viu?

Apaixonadas pela música, por futebol e dotadas divinamente por muitos talentos, as cantoras Clara & Isabela, iniciam jornada como artistas do seguimento gospel na pré adolescência. Aos cuidados de seus pais, Lucas Sousa e Dayane Mateus, seguem propagando através de belas canções, o evangelho de Cristo.
 
Assistam ao vídeo, e veja na integra como essas pequeninas se saíram na primeira entrevista da carreira, e como tocam, cantam e encantam com tanta fofura!!! 

Fonte: www.canalceviu.com.br

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

Bolsonaro diz que convidará Sérgio Moro para ministro da Justiça ou o indicará para o STF

O presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou na noite desta segunda-feira (29), em entrevista ao vivo ao Jornal Nacional, que convidará o juiz federal Sérgio Moro para ser o futuro ministro da Justiça ou então o indicará para uma vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal. 

"Pretendo convidá-lo para o Ministério da Justiça ou – seria no futuro – abrindo uma vaga no Supremo Tribunal Federal, na qual melhor ele achasse que poderia trabalhar para o Brasil", afirmou Bolsonaro.
Na entrevista, além da questão sobre Sérgio Moro, o presidente eleito respondeu a perguntas sobre outros cinco temas:
  • classificou a Constituição como uma "bíblia";
  • afirmou que a acusação de homofobia é um "rótulo";
  • se declarou "totalmente favorável" à liberdade de imprensa;
  • disse que a fala sobre "marginais vermelhos" foi um "desabafo";
  • e pediu "uma oportunidade" aos eleitores que não votaram nele.
Leia abaixo a transcrição da entrevista. 

William Bonner - Nesta edição especial do Jornal Nacional, nós temos a presença do 38º presidente da República Federativa do Brasil, Jair Messias Bolsonaro. Presidente, muito boa noite.
Jair Bolsonaro - Boa noite, Bonner, boa noite, Renata. 

William Bonner - Primeiro, parabéns por essa vitória ampla nas urnas. Muito obrigado desde já por abrir as portas da sua casa para o Jornal Nacional nesta noite tão especial de um dia que certamente foi muito atribulado para o senhor. Nós já sabemos que, em primeiro lugar, o senhor deseja agradecer os eleitores brasileiros. E é muito justo. Por favor. 

Jair Bolsonaro - Quero agradecer a todos que votaram em mim pelo apoio confiança, agradecer pelas orações. Afinal de contas, ao longo de quatro anos, não só na pré-campanha, mas na campanha, tivemos uma bandeira baseada na passagem João 8:32 e está na hora de o Brasil conviver com a verdade. Agradeço os que confiaram no meu nome nas urnas.

Constituição

William Bonner - Presidente, nesses poucos minutos, nós queremos aproveitar aqui a sua disposição para acalmar os ânimos que andaram tão acirrados ao longo dessa campanha. No primeiro dia depois do segundo turno, o senhor disse aqui, no Jornal Nacional, que será um escravo da Constituição de 1988. No último sábado, agora, na sua última aparição nas redes sociais antes da eleição, o senhor estava com um exemplar da Constituição nas mãos e reiterou que todas as suas ações seguirão os postulados da Constituição. No seu discurso da vitória de ontem, o senhor disse que vai defender as liberdades e vai defender a democracia. Diante disso tudo, o que é que o senhor diria àqueles que ainda insistem em dizer que a sua eleição é um risco para a democracia? 

Jair Bolsonaro - Primeiro, dizer-lhes que as eleições acabaram. Chega de mentira. Chega de fake news. Realmente agora estamos em uma outra época. Eu quero governar para todos, como você bem disse, no Brasil. Não apenas para os que votaram em mim. Temos uma Constituição que tem que ser, realmente, a nossa bíblia aqui na terra. Respeitá-la, porque só dessa maneira podemos conviver em harmonia.

Preconceito e violência

Renata Vasconcellos - Durante a campanha, o senhor já teve a oportunidade de se desculpar por palavras mais fortes que usou em sua pregação sobre um projeto polêmico de educação sexual nas escolas. Chegou até a pedir desculpas aqui no JN por ter se excedido no calor das discussões. Em outra ocasião, disse enfaticamente não ter nada contra os gays. Depois, disse que vai lutar contra aqueles que querem dividir o Brasil entre homos e héteros, entre brancos e negros, entre sulistas e nordestinos. Há relatos concretos sobre pessoas que têm agredido gays – verbalmente e fisicamente. Na campanha, o senhor repudiou o voto dos que usam a violência. Como presidente eleito, o que o senhor diria para aqueles que ousem ser preconceituosos e agressivos contra outro ser humano apenas por serem gays? 

Jair Bolsonaro - A agressão contra os semelhantes tem que ser punida na forma da lei e se for por um motivo como esse tem que ter pena agravada. Deixo bem claro: ganhei rótulo por muito tempo de homofóbico. Na verdade, fui contra a um kit feito pelo então ministro da Educação, Haddad, que de 2009 para 2010, onde chegaria nas escolas um conjunto de livros e cartazes e filmes onde passaram crianças se acariciando e meninos se beijando. Não poderia concordar com isso. A forma como ataquei essa questão é que foi um tanto quanto agressiva porque achava que o momento merecia isso. Tivemos em parte sucesso porque no ano seguinte a presidente Dilma, depois de ouvir as bancadas evangélica e católica, resolveu recolher o material. Mas o rótulo ficou em cima de mim. Isso tudo aconteceu por causa do 9º seminário LGBT infantil na Comissão de Direitos Humanos da Câmara onde presente estava o secretário de Alfabetização, André Lazaro. E os senhores podem pegar as imagens no YouTube onde ele dizia que passou discutindo até onde a língua da menina entraria na boca da outra. A essa agressão contra a família e contra a inocência das crianças em sala de aula resultou na minha forma um tanto quanto violenta, concordo, para tentar demover o ministério dessas cartilhas, filmes e cartazes.

Liberdade de imprensa

William Bonner - Presidente, o senhor sempre se declara, enfaticamente, aliás, um defensor da liberdade de imprensa. Mas, em alguns momentos da campanha, o senhor chegou a desejar que um jornal deixasse de existir. É indiscutível que a imprensa não é imune a erros e nem a críticas e isso vale para qualquer órgão da imprensa profissional. Mas também é fato que a imprensa livre é um pilar da democracia. Como presidente eleito, o senhor vai continuar defendendo a liberdade da imprensa e a liberdade do cidadão de escolher o que ele quiser ler, e o que ele quiser ver e ouvir? 

Jair Bolsonaro - Totalmente favorável à liberdade de imprensa. Temos a questão da propaganda oficial do governo que é uma outra coisa. Mas aproveito o momento para que nós realmente venhamos fazer justiça aqui no Brasil. Tem uma senhora de nome Valderice, minha funcionária, que trabalhava na vila histórica de Mambucaba, e tinha uma lojinha de açaí. O jornal "Folha de S.Paulo" foi lá nesse dia 10 de janeiro e fez uma matéria e a rotulou de forma injusta como fantasma. É uma senhora, mulher, negra e pobre. Só que nesse dia 10 de janeiro, segundo boletim administrativo da Câmara de 19 de dezembro, ela estava de férias. Então, ações como essa, por parte de uma imprensa, que mesmo a gente mostrando a injustiça que cometeu com uma senhora, ao não voltar atrás, logicamente que eu não posso considerar essa imprensa digna. Não quero que ela acabe. Mas, no que depender de mim, da propaganda oficial do governo, imprensa que se comportar dessa maneira, mentindo descaradamente, não terá apoio do governo federal. 

William Bonner - Então o senhor não quer que esse jornal acabe. O senhor está deixando isso claro agora. 

Jair Bolsonaro - Por si só, esse jornal se acabou. Não tem prestígio mais nenhum. Quase todas as fake news que se voltaram contra mim partiram da "Folha de S.Paulo", inclusive a última matéria, onde eu teria contratado, né, empresas fora do Brasil, via empresários aqui para espalhar mentiras sobre o PT. Uma grande mentira, mais uma fake news do jornal "Folha de S.Paulo", lamentavelmente. 

William Bonner - Presidente, me permita, como editor-chefe do Jornal Nacional, eu tenho um testemunho a fazer. Às vezes, eu mesmo achei que críticas que o jornal “Folha de S.Paulo” tenha feito ao Jornal Nacional me pareceram injustas. Isso aconteceu algumas vezes. Mas, para ser justo, do lado de cá, eu preciso dizer que o jornal sempre nos abriu a possibilidade de apresentar a nossa discordância, de apresentar os nossos argumentos, aquilo que nós entendíamos ser a verdade. A “Folha” é um jornal sério. É um jornal que cumpre um papel importantíssimo na democracia brasileira. É um papel que a imprensa profissional brasileira desempenha, e a “Folha” faz parte desse grupo da imprensa profissional brasileira. Mas a gente pode seguir adiante com a próxima pergunta da Renata, por favor.

'Marginais vermelhos'

Renata Vasconcellos - No discurso em que o senhor fez esta mesma afirmação sobre a imprensa, o senhor disse que os “marginais vermelhos” serão “banidos da nossa pátria”. O que o senhor quis dizer com isso? 

Jair Bolsonaro - Foi um discurso inflamado, com a Avenida Paulista cheia e logicamente estava me referindo à cúpula do PT e à cúpula do PSOL. O próprio Boulos havia dito que invadiria minha casa na Barra da Tijuca por não ser produtiva. Vimos o candidato do PT derrotado em vídeo dizendo que a crise no Brasil só acabaria quando Lula fosse eleito presidente. Então, foi um momento de desabafo e em um discurso acalorado, mas não ofendi a honra de ninguém. No Brasil de Jair Bolsonaro, quem desrespeitar a lei sentirá o peso da mesma contra sua pessoa”.

Conciliação

William Bonner - Presidente, essa campanha foi muito polarizada, todo mundo sabe, todo mundo notou, às vezes até dentro de famílias houve brigas. O senhor certamente tem conhecimento disso. Ontem, em seu discurso, o senhor, muito corretamente, disse que será o presidente de todos os brasileiros. Para conseguir seu objetivo de conciliação nacional, respeitadas as diferenças de ideias, o que o senhor poderia dizer agora, neste momento, aqui no JN, para os que não votaram no senhor? 

Jair Bolsonaro - Quero dizer a todos vocês que não votaram em mim que nós estamos no mesmo barco. Se o Brasil não sair dessa crise ética, moral e econômica, todos nós sofreremos as consequências do que se aproxima no futuro. Nós queremos é juntos, juntos com vocês, afinal de contas, nós temos tudo, tudo para ser uma grande nação. O que está faltando é a união de todos, evitar as divisões. Essas divisões apareceram no governo anterior, nordestinos-sulistas, brancos e negros, ricos e pobres, homos e héteros, isso nós vamos evitar. Vamos tratar todos iguais. E eu apelo àqueles que não votaram em mim. Nos dê a oportunidade agora de mostrar que, realmente, nós podemos fazer uma política de modo de que a felicidade se faça presente em nosso meio no futuro.

Sérgio Moro

Renata Vasconcellos - Uma última pergunta. O senhor disse há pouco à Record e ao SBT que pensa em convidar o juiz Sérgio Moro ou para o Ministério da Justiça ou para o Supremo Tribunal Federal. Qual dessas duas funções o senhor prefere para ele? 

Jair Bolsonaro - O juiz Sérgio Moro é um símbolo aqui no Brasil. Eu costumo dizer que é um homem que perdeu sua liberdade no combate à corrupção. Ele não pode mais ir à padaria sozinho ou ir passear com a família no shopping sem ter aparato de segurança ao lado. É um homem que tem que ter o trabalho reconhecido. Pretendo conversar com ele brevemente, e já foi feita a sinalização positiva. Pretendo convidá-lo para o Ministério da Justiça ou – seria no futuro – abrindo uma vaga no Supremo Tribunal Federal, na qual melhor ele achasse que poderia trabalhar para o Brasil. Um homem com passado exemplar no combate à corrupção e em qualquer uma das duas casas ele levaria avante sua proposta. A corrupção tem que ser banida do Brasil, ninguém suporta mais conviver com essa prática tão nefasta.

Outras entrevistas

Além da entrevista à TV Globo, Bolsonaro também falou na noite desta segunda-feira ao SBT, à Rede TV, à Band e à TV Record. 

PREVIDÊNCIA - Bolsonaro afirmou que pretende ir a Brasília na semana que vem para, junto com Michel Temer, tentar aprovar parte da reforma da Previdência que está atualmente parada no Congresso Nacional.
“A nossa reforma é um pouco diferente da do Temer, mas nós vamos procurar o governo e procurar salvar alguma coisa dessa reforma [...] Nós temos que ver o que pode ser aprovado, o que passa pela Câmara e pelo Senado. Agora, nós não podemos é não aprovar nada no corrente ano. Ela é bem-vinda e será feita do que depender de nós com muito critério e com muita responsabilidade”, afirmou Bolsonaro em entrevista ao SBT. 

À Record, o futuro presidente disse que, junto com Temer, irá tratar da reforma da Previdência e também de formas para evitar que novas “pautas-bomba” entrem em votação no Congresso.
“Nós estamos com déficit monstruoso e não podemos aumentar esse déficit, ainda mais para a partir do ano que vem, sob o risco do Brasil entrar em colapso”, afirmou.
Atualmente, há um projeto de reforma da Previdência apresentado pelo governo de Temer na forma de emenda à Constituição à espera para ser votado na Câmara. 

A proposta está parada desde fevereiro, quando foi decretada intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro. Durante os períodos de intervenção, não podem ser feitas alterações na Constituição – e a do Rio está prevista para terminar em 31 de dezembro.
Em entrevista à CBN, também nesta segunda-feira, o futuro ministro da Casa Civil, deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS), deu um panorama diferente do apresentado por Bolsonaro sobre a reforma de Temer – que chamou de “remendo”, que “não duraria nem cinco anos”. 

“Quanto à questão da Reforma da Previdência, eu defendo, mas, aí é uma questão de uma leitura que tenho e que ainda está em processamento, eu defendo que se faça de uma única vez, lá quando ele [Bolsonaro] já for o presidente, e algo proposto para que dure 30 anos", afirmou.
Em outra entrevista também nesta manhã, à Rádio Gaúcha, Onyx afirmou que a "tendência" é que o governo de Bolsonaro encaminhe um novo projeto de reforma da Previdência em 2019, após a posse do presidente eleito. 

CONGRESSO - Bolsonaro disse ainda, na entrevista à Record, que “pela governabilidade” seria bom “diversificar” os cargos da Mesa Diretora da Câmara e que não pretende que o PSL fique com a presidência da Casa. 

“O que eu tenho falado para a minha bancada é que eu gostaria que nós não lutássemos pela presidência da Câmara, oferecessemos para algum outro partido ali. Não tem mais partido grande no momento, né, e assim fosse a distribuição dos demais cargos da Mesa Diretora. Seria um início, um gesto de humildade da nossa parte que nós queremos que todos participem do governo”, afirmou.
“O que eu entendo é que, pela minha experiência de Parlamento, as vagas da Mesa devem ser ocupadas por quem já tem um mandato. Meu partido, se eu não me engano, 52, são 46 novos. Não deixam de ser pessoas competentes, mas eles têm que entender que, pela governabilidade, seria bom nós diversificarmos os cargos da Mesa Diretora”, disse. 

ARMAS - O futuro presidente afirmou ainda que quer diminuir a idade para posse de arma de 25 para 21 anos e tornar a posse definitiva – atualmente precisa ser renovada periodicamente. Ele disse também que pretende flexibilizar o porte, que permite que pessoa possa levar a arma consigo, mas sem detalhar como. 

“Nós queremos mexer na lei isso aí, e diminuir na lei de 25 para 21 anos de idade e, mais ainda, dar a posse definitiva para o cidadão, porque vira um IPVA das armas, não podemos criar mais um encargo para quem tem uma arma dentro da sua casa para defender a integridade da sua família. A posse de arma, mas o porte de arma de fogo tem que ser flexibilizado também”, afirmou à Record.
Para facilitar a posse, o futuro presidente citou a comprovação de “efetiva necessidade”, que atualmente é determinada pela Polícia Federal. 

“[...] Um dos dispositivos lá do estatuto do desarmamento diz que você precisa comprovar a efetiva necessidade para comprar a arma de fogo e quem decide isso aí é a Polícia Federal, que é orientada pelo Ministério da Justiça e até mesmo pelo próprio Presidente da República. A orientação nossa é que a efetiva necessidade está comprovada pelo estado de violência em que vive o Brasil. Nós estamos em guerra, todo mundo diz isso aí, vocês mesmo da imprensa dizem isso aí”, afirmou.
O presidente eleito entende que, com a flexibilização do porte de armas, haverá redução da criminalidade. 

“Fico pensando: por que o caminhoneiro não pode ter a posse da arma de fogo? Coloque uma situação do caminhoneiro que dormiu no posto e não tem mais o estepe no seu caminhão. Você casar isso com o excludente de ilicitude, e eu digo que é em defesa de vida própria e patrimônio próprio e terceiros, se alguém estiver furtando ou roubando seu estepe, ele vai dar um exemplo para a bandidagem que é o seguinte: ele atirou, elemento foi abatido em legítima defesa, ele vai responder mas não tem punição: vai diminuir a violência no Brasil com toda certeza”, afirmou. Fonte: G1

Bolsonaro responde gesto de Haddad: ‘Obrigado pelas palavras’

Jair Bolsonaro acaba de agradecer as congratulações de Fernando Haddad no Twitter.
O petista desejou-lhe sucesso e boa sorte; Bolsonaro retribuiu o gesto.

Um dia após derrota, Haddad deseja sucesso a Bolsonaro

No dia seguinte após a derrota, Fernando Haddad (PT) usou o Twitter para parabenizar o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), pela vitória. O petista disse que escreve a mensagem “de coração leve” para que “ela estimule o melhor de todos nós”. No domingo (28), Haddad avisou a dirigentes petistas que não ligaria para Bolsonaro, um gesto tradicional entre os políticos de reconhecimento da derrota.
No discurso depois da derrota, Haddad também não cumprimentou seu adversário. Segundo aliados, o petista reclamou do que classificou como “falta de civilidade” de Bolsonaro durante a campanha. 
Na noite de domingo, ele disse que, agora, tem a “tarefa” de fazer oposição e de defender o pensamento dos brasileiros que não votaram no presidente eleito.

domingo, 28 de outubro de 2018

Após derrota, Haddad prega ‘coragem’ contra ‘medo’ e se projeta para 2022

Em seu discurso após a derrota nas eleições presidenciais de 2018, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) pediu, em um tom emotivo, “coragem” a uma plateia formada por militantes e políticos aliados e colocando a sua “vida à disposição desse país”.

“Não tenham medo. Nós estaremos aqui, nós abraçaremos a causa de vocês. A vida é feita de coragem”, disse o petista, pouco depois de colocar “a sua vida à disposição desse país” e de citar as eleições presidenciais de 2022, projetando-se para liderar o PT após o pleito deste domingo. “Verás que um professor não foge à luta, nem teme quem adora a liberdade à própria morte”, disse, em outro trecho.
Haddad não citou o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) em nenhum momento do seu discurso, mas cobrou do novo governo “respeito” a “uma parte expressiva da população brasileira” que o escolheu neste segundo turno. “[Essa parte] Diverge da maioria e tem outro projeto de país, mas precisa ser respeitada”. Ele também defendeu a posição da sua legenda para liderar a oposição, em especial na vigilância das instituições, que, diz, passam por instabilidades nos últimos anos, citando o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Desde o início da tarde, o clima de velório no hotel onde a militância petista acompanhava a apuração se alternava com fiapos de esperança, em virtude do crescimento do ex-prefeito nas pesquisas realizadas durante a última semana. Mas tão logo as pesquisas de boca de urna e a primeira parcial da apuração foram divulgadas, a tensão e as conversas foram substituídas por um silêncio sepulcral, aos poucos seguidos de choros da militância petista.

Ao longo da tarde, também foi possível identificar aquele que passa a se tornar uma persona non grata no partido, o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), duramente criticado em caráter reservado por lideranças da legenda. E outros que se tornam aliados ainda mais próximos, como o também ex-presidenciável Guilherme Boulos (PSOL), levado ao palco durante o discurso de Haddad, junto com dirigentes dos partidos que integravam a coligação petista, o PCdoB e o Pros.

Após o discurso de Haddad, a militância começou a entoar gritos de “a luta começou” e também a invocar o nome do ex-presidente Lula. A cerimônia foi antecedida por gritos de “fascista” durante o discurso de Bolsonaro. Antes do início, foi feito um minuto de silêncio em homenagem à vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada no Rio em março deste ano, e ao capoeirista Mestre Moa do Catendê, assassinado durante uma discussão política na Bahia na campanha eleitoral deste ano.

Fonte: Veja

Votos brancos e nulos batem recorde na eleição presidencial

Com 99,99% das urnas apuradas já se sabe que quase um terço da população preferiu lavar as mãos. A abstenção chegou a 21,30%, os votos brancos, a 2,14%, e os nulos, a 7,43%. Ou seja, mais de 30% dos eleitores brasileiros não escolheram nenhum dos dois candidatos à Presidência da República. Segundo os dados divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), 31,3 milhões de brasileiros não compareceram para votar.

Essa é a maior soma de brancos e nulos desde 1989. A partir do cenário de redemocratização, com eleição em dois turnos, a média de votos nulos ficou em 4,45%, com pico de 4,7% em 2006, ante 7,38% hoje. A média de votos brancos foi de 1,72%. 

O resultado mostra que, além dos dois blocos polarizados, há uma terceira força no país que simplesmente não se sente representada. Praticamente um em cada três brasileiros preferiu ficar de fora da decisão mais importante de uma democracia. 

Fonte: correiobraziliense

Em live, Jair Bolsonaro exalta a Deus, Bíblia e Constituição (vídeo)

Após a vitória consolidada de Jair Bolsonaro (PSL) sobre Fernando Haddad (PT) na corrida eleitoral, o novo presidente eleito realizou uma transmissão ao vivo pelo Facebook.
Seu pronunciamento substituiu a tradicional coletiva de imprensa e coroou a importância das redes sociais e do engajamento virtual do eleitorado nesse pleito. Ele exaltou a Bíblia e declarou que sente que sua eleição foi resposta de Deus.

– Tenho certeza que Deus reservou algo para mim. Meu lema (Brasil Acima de Tudo, Deus Acima de Todos) eu fui buscar na Bíblia Sagrada, que é a caixa de ferramentas para muitos homens e mulheres. Com toda a certeza essa é uma missão de Deus – afirmou.
Bolsonaro também agradeceu aos seus apoiadores e eleitores.
– Muito obrigado pela confiança, pelas orações, pelo apoio e no momento peço a Deus coragem para poder decidir o futuro. Estou muito feliz e missão não se escolhe nem se discute, se cumpre. Juntos nós cumpriremos a missão de resgatar o nosso Brasil – encerrou.

CONSTITUIÇÃO
Bolsonaro ainda declarou que não irá abandonar a Constituição em seu governo.
– Mais que um dever, o povo tem o direito de saber o que acontece em seu país. Alguém sem grande partido, sem fundo partidário, com grande parte da mídia me criticando. Não poderíamos mais continuar flertando com o comunismo, socialismo, populismo. O que eu mais quero é continuar seguindo ensinamentos de Deus ao lado da Constituição brasileira.

Ao final, fez uma oração de mãos dadas com os amigos, aliados e família. O pastor Magno Malta (PR), amigo e apoiador durante a campanha, foi quem fez a oração. Logo em seguida, fez seu discurso presidencial, que, mais uma vez, exaltou a Deus.Informações Pleno.News

Jair Bolsonaro é eleito presidente do Brasil

O deputado federal fluminense Jair Messias Bolsonaro, de 63 anos, foi eleito neste domingo, 28 de outubro de 2018, o novo presidente da República. Com 92% das urnas totalizadas, ele lidera a apuração com 55,63% dos votos válidos — seu adversário, Fernando Haddad (PT) tem 44,37%.
Capitão da reserva, ele é o primeiro político saído do Exército a assumir o comando do país desde 15 de março de 1985, quando o general João Baptista Figueiredo deixou a Presidência para dar lugar ao advogado José Sarney, até então senador pelo Maranhão e vice de Tancredo Neves na chapa eleita indiretamente pelo Congresso.
Deputado federal pelo PSL (Partido Social Liberal), com cerca de três décadas de vida parlamentar, é também o primeiro presidente eleito fora da polarização entre PSDB e PT que marcava a corrida presidencial desde 1994. A posse será em 1º de janeiro de 2019.
Seu vice, Antônio Hamilton Martins Mourão (PRTB), de 65 anos, é general da reserva do Exército.
O deputado federal fluminense Jair Messias Bolsonaro, de 63 anos, foi eleito neste domingo, 28 de outubro de 2018, o novo presidente da República. Com 92% das urnas totalizadas, ele lidera a apuração com 55,63% dos votos válidos — seu adversário, Fernando Haddad (PT) tem 44,37%.
Capitão da reserva, ele é o primeiro político saído do Exército a assumir o comando do país desde 15 de março de 1985, quando o general João Baptista Figueiredo deixou a Presidência para dar lugar ao advogado José Sarney, até então senador pelo Maranhão e vice de Tancredo Neves na chapa eleita indiretamente pelo Congresso.
Deputado federal pelo PSL (Partido Social Liberal), com cerca de três décadas de vida parlamentar, é também o primeiro presidente eleito fora da polarização entre PSDB e PT que marcava a corrida presidencial desde 1994. A posse será em 1º de janeiro de 2019.
Seu vice, Antônio Hamilton Martins Mourão (PRTB), de 65 anos, é general da reserva do Exército.
Atualmente no PSL, sigla que até este ano possuía apenas oito das 513 cadeiras na Câmara dos Deputados, o deputado foi responsável pelo crescimento do partido no último dia 7 de outubro. Foram eleitos graças à onda que se formou em torno de seu nome 52 deputados federais, a segunda maior bancada, atrás apenas do PT, com 56. A agremiação também elegeu quatro senadores.
Como político, Bolsonaro dedicou os últimos 27 anos à vida parlamentar em Brasília, tendo apresentado, no período, 162 projetos e aprovado apenas dois. O primeiro deles, prorrogava benefícios fiscais aos setores de informática e automação. O segundo autorizava o uso da fosfoetanolamina sintética — substância conhecida por “pílula do câncer”, cuja eficácia nunca foi comprovada cientificamente — por pacientes com a doença.
Pertencente ao chamado baixo clero no Congresso, Bolsonaro começou a se credenciar como candidato à Presidência em meio à derrocada dos governos petistas e ao impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), em 2016.
Com um discurso anti-establishment e anticorrupção, o ex-militar canalizou a insatisfação dos eleitores com o partido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso em Curitiba condenado em segunda instância por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá (SP). Sua defesa diz que ele foi condenado sem provas e que é vítima de perseguição de setores do Judiciário. Lula recorre da decisão.
O deputado também começou a ganhar destaque na mídia por seu discurso de tons machistas, homofóbicos e racistas. Ele é réu no STF (Supremo Tribunal Federal) por incitação ao crime de estupro e injúria, em caso envolvendo a deputada federal Maria do Rosário (PT). Bolsonaro já foi condenado em 2015, em primeira instância, na Justiça do Distrito Federal, a pagar indenização de 10 mil reais à petista por danos morais, por ter dito que não a estupraria porque ela “não merece”. Ele recorre.
Também já foi julgado no Supremo neste ano pelo crime de racismo, do qual foi absolvido, por 3 votos a 2.
Campanha
Com apenas oito segundos de propaganda eleitoral no primeiro turno, o ex-militar viabilizou sua candidatura pelas redes sociais, na qual é bastante atuante. No Twitter, possui 1,9 milhão de seguidores.
O candidato também foi beneficiado por tempo espontâneo de TV pela cobertura do atentado que sofreu em 6 de setembro, quando foi esfaqueado por Adelio Bispo do Santos durante um ato de campanha em Juiz de Fora (MG). Segundo a Polícia Federal, o ataque foi motivado por inconformismo político.
Bolsonaro passou por duas cirurgias para a reconstrução e desobstrução do intestino e ficou três semanas internado. Mesmo com liberação do médicos, ele se recusou a participar de debates na televisão contra Fernando Haddad, por “estratégia” política. Foi a primeira vez desde a redemocratização do país que um encontro, na TV, entre candidatos à Presidência, com o objetivo de esclarecer aos eleitores as propostas de governo, não foi realizado no segundo turno.
Sua candidatura começou a decolar no primeiro turno a partir de 29 de setembro, quando protestos organizados por mulheres, sob a bandeira #EleNão, ocorreram nos 26 estados e no Distrito Federal. Adversários acusam sua campanha de ter disseminado notícias falsas pelo aplicativo WhatsApp para atacar Haddad e conseguir o apoio de eleitores conservadores e religiosos.
Em 19 de outubro, após reportagem do jornal Folha de S.Paulo, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) abriu investigação judicial solicitada pelo PT para apurar se Bolsonaro se beneficiou de envios maciços de mensagens por meio do WhatsApp. Os envios teriam sido financiados por empresas em contratos milionários e não declarados, o que configura caixa dois de campanha. O deputado negou qualquer irregularidade e pediu o arquivamento da ação, que ainda corre na Justiça.
Na reta final da campanha, o ex-militar chegou a cair nas pesquisas de intenção de voto após fala de seu filho Eduardo Bolsonaro, segundo quem bastaria “um soldado e um cabo” para fechar o STF (Supremo Tribunal Federal). Seu discurso foi duramente repudiado pelo ministro Celso de Mello, decano do tribunal, que classificou a fala de “golpista”. Bolsonaro disse ter repreendido o filho.
Também prejudicou sua candidatura um discurso que fez para apoiadores que estavam na avenida Paulista, em São Paulo, em que dizia, por telefone, que “varreria do mapa os bandidos vermelhos do Brasil”. “Essa turma, se quiser ficar aqui, vai ter que se colocar sob a lei de todos nós. Ou vão para fora ou vão para a cadeia”, afirmou.
Em seu governo, Bolsonaro deve ter o apoio de partidos do chamado centrão. Em 2 de outubro, a bancada ruralista, que agrega 261 deputados federais e senadores no Congresso, anunciou sua adesão à campanha do ex-militar. Ele tentará aprovar como presidente medidas liberais na economia, como a privatização de estatais, e conservadoras nos costumes, como a proibição das discussões sobre questões de gênero nas escolas.

Fonte: veja