Translate

Compartilhe

https://www.facebook.com/deltan.dallagnol/videos/1384339188276453/

search este blog

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

Conheça Cristiane: A esposa que promoveu Cabo Daciolo

Cristiane Dutra Daciolo é uma mulher diferenciada. Inteligente, articulada, destemida, cheia de simpatia e de fé em Deus. Essa carioca de 47 anos, é casada há duas décadas com o ex-presidenciável Cabo Daciolo, o homem que desbancou nomes como Marina Silva e Henrique Meirelles na corrida presidencial, no primeiro turno.

Na tarde da entrevista, Cristiane apareceu com uma simplicidade carregada de firmeza. Longe de qualquer estereótipo de mulher de um político que viralizou o famoso bordão “Glória a Deus”, revelou-se uma Cristiane com múltiplas funções e qualidades. Trabalha como empresária na área de seguros, cuida dos três filhos, Manuela (11), Bernardo (12) e Maria Eduarda (20), administra a casa, monitora limpeza e organização da família, sendo também uma personal stylist de todos. Decidiu estudar Jornalismo, que cursa no terceiro ano. Assessorou toda campanha do marido e tem orgulho das vitórias conquistadas com tão pouca verba e equipe.
Mas, quem é essa mulher que quase nunca aparece, mas que tem exercido uma positiva influência sobre sua família? Quem é a profissional que gosta do anonimato, mas que circula com competência pela área de comunicação? Quem é a mulher de Deus que acredita na força feminina? Conheça agora Cristiane Daciolo: uma guerreira em favor das mulheres.

Como você e Daciolo se conheceram?
Eu estava em uma festa do banco em que eu trabalhava e ele foi com um grupo de amigos. A gente ainda não era cristão de igreja. Na época, ele estava se formando como bombeiro. Conversamos um pouquinho e depois fui embora da festa. Não demorou muito e ele apareceu no banco me procurando. Fomos conversando mais, amadurecendo a relação e logo estávamos morando juntos. Só viemos a nos casar no civil seis anos depois.

Como foi sua conversão?
Eu frequento a igreja evangélica desde os 16 anos. Sempre gostei e tinha o Cristianismo como minha religião. Só que eu ia à igreja evangélica, me sentia muito bem, gostava dos louvores, mas era tudo sem compromisso.

Certa vez, Daciolo teve um problema de doença, uma gastroenterite que não curava por nada. E ele passou a frequentar a igreja com sua mãe. Foi um chamado individual dele. Eu não ia junto. Até que ele se converteu em 2004 na Assembleia de Deus.

A partir de então, ele passou a ser um crente fervoroso. Daciolo é o mesmo homem cristão desde o dia de sua conversão, sempre fiel e temente a Deus. Não teve aquela coisa de primeiro amor com Deus que depois vai esfriando. Ele sempre foi visceral, apegado com Cristo.

Eu comecei a frequentar a mesma igreja que ele frequentava, a Assembleia de Deus, em Campo Grande, no Rio de Janeiro. Logo ele se batizou. E em 2005, nos casamos no civil.

Quando ele começou a campanha para deputado, percebi que eu queria também me batizar, mas não na Assembleia de Deus. Fui para a igreja Bola de Neve e lá me batizei. Era o local que eu gostava de ir, onde me sentia bem.

E como você percebia e se envolvia com a vida política dele?
Sempre participei em tudo, desde as campanhas de rua. Eu me envolvia em todos os detalhes. Por exemplo, na época das mobilizações em favor dos bombeiros, quando ele foi preso, eu estava à frente, falava com a imprensa, me mobilizava para ajudar tanto a ele quanto à classe. Estava sempre atuando nos bastidores para que algo de bom acontecesse.

Deus sempre me deu muita força para eu cuidar de tudo. Ele me guiou de tal forma para que Daciolo não tivesse preocupações com os filhos, com a casa, com o andamento de tudo. E essa evolução culminou no mandato dele.

Enquanto ele ia na frente, eu seguia por trás de tudo. Em todos os sentidos, desde as roupas que usava, o conteúdo das redes, as campanhas dele… E como Daciolo não tem domínio de redes sociais, passei a organizar todas as plataformas e aplicativos.
A faculdade de Jornalismo veio em decorrência de tudo isso. Afinal, eu tinha que obter maior preparo para fazer bem feito.

Conte sobre ingressar na universidade diante de tantas demandas na vida.
Ingressei na universidade logo no início do mandato dele. Ele assumiu em 2015 e eu iniciei em 2016. Fiz vestibular e fui estudar na UNIP de Brasília. Hoje, estou no terceiro ano da IBMR, no Rio de Janeiro. Estudo pela manhã, trabalho de tarde no meu escritório e cuido da casa, dos filhos e dele, sem problemas.

Como administra o jeito contundente e autêntico de seu marido?
Muita gente pode pensar que ele deve ser um sujeito dominador. Mas Daciolo é um homem extremamente romântico. É muito parceiro, sabe? E não tem como não se encantar com ele, que me surpreende a cada dia. Isso é muito legal.

Mesmo sendo muito ocupado, ele tem aquele start para sempre me manter apaixonada. É uma característica extraordinária dele. Um homem que conheço há 20 anos e que sempre me surpreende. A viagem para Israel foi uma surpresa. Foi um presente de aniversário de casamento. Mal percebi e ele já tinha comprado as passagens.

De que forma planejava as ações de campanha dele?
Como esposa e jornalista, sempre preservei o lado pessoal dele e o lado dos filhos para que nossa vida não ficasse muito exposta. Mas aos poucos, percebi que eu deveria mostrar para o mundo quem era Cabo Daciolo de verdade.

Porque até então as pessoas achavam que ele era um louco com a Bíblia debaixo do braço. Pensei: “tenho que mostrar esse lado amoroso dele e nossa família”. Revelar a essência dele. E eu procurei fazer esse trabalho nos meus textos, nos releases que eu enviava para a imprensa, no contato com os jornalistas, nas entrevistas dele… Paramos de nos esconder. E tudo acabou caminhando para algo mais verdadeiro, mais real. Ele não era apenas um personagem. Havia uma história, uma família por trás dele.

Como era lidar com as críticas contra Daciolo?
Quando você demonstra amor por todos, é muito difícil a pessoa vir com pedras na mão, mesmo que tenham as críticas. Eu achei maravilhoso, formidável, aquela coisa dos primeiros memes. Adorei! Vi que também era uma forma de divulgar ele ainda mais. E fui por essa vereda. Falei que ia aproveitar tudo aquilo. E que dos memes ruins, começaríamos a divulgar memes do amor.

No Instagram, comecei a aproveitar isso com fotos, stories. E conseguimos mostrar o que ele é. Nada engessado. Como esposa, eu sabia quem ele era e passei isso por meio das ferramentas de comunicação.

Certa vez, postei um meme dele virando o personagem Homem de Ferro que falava “Glória a Deus”. Outra vez, no meio do caminho para casa, vimos um arco-íris e fiz umas fotos para usar. Meu papel era fazer viralizar o que eu queria. E fui fazendo. E eu tinha o personagem principal, a fonte, praticamente nas minhas mãos.

E tivemos sucesso. Um parlamentar sem muito poder conseguiu galgar uma competição entre poderosos e teve ótimos resultados. E meu lado de esposa e de jornalista me trouxe a sagacidade e a sabedoria para ter esta percepção.

E quando ele fazia alguma coisa com a qual você não concordava?
Tem coisas que não tem como eu segurar, né. Tinham palavras ou atitudes que ele fazia e eu discordava. Mas o Daciolo tem uma coisa extraordinária: ele é alguém 100% espiritual. Ele tem uma capacidade espiritual de antever. E como eu já vi muitos milagres sobrenaturais em nossa vida, eu entro de cabeça no que ele fala.

Porque já vi muitos resultados. E por ele ser meu marido, por eu confiar nele, por ele ser o provedor da casa, por ele nunca ter me desamparado em 20 anos, então, confio completamente nele e mergulho junto. E se lá no final do mergulho existir uma pedra e nós dois precisarmos desviar, vamos fazer isso juntos. E sempre tivemos esse lema na vida.

Como explica o fato dele ter alcançado votos a frente de outros candidatos, como Marina Silva e Henrique Meirelles?
Foi todo um conjunto. Primeiramente, foi por Deus. Não tem explicação. A pessoa pode falar qualquer coisa, mas foi o sobrenatural de Deus que agiu. Fora disso, não tem como, mesmo com toda minha assessoria. Era impossível.

Se você for conversar com qualquer cientista político, qualquer pessoa mais esclarecida, todos diriam que era impossível alcançar aquela marca sem dinheiro. Lembro de que íamos para os debates de carro próprio. As vezes, por causa dos congestionamentos de trânsito, nós nos arrumávamos dentro do carro e já chegava direto para o debate. E ele chegava bem, sereno, pleno. Só Deus faz isso.

Diante da sua espiritualidade e do seu lado jornalístico, como avalia as afirmações dele de que seria presidente?
Não descartei a possibilidade. Ele profetizava aquilo na vida dele. E eu acho importante. Eu lido com isso também na minha vida, porque profetizo para minha vida, para a vida dos meus filhos, para as pessoas que amo. As vezes, até para as pessoas que eu nem conheço, mas que sei que estão precisando de ajuda.

Você é uma mulher forte ao lado de um homem forte. De que forma estão delineando o futuro de vocês?
Tenho ido muito a Brasília a fim de encerrarmos trâmites. Estamos entregando o apartamento funcional, o gabinete. Mas, vou ser bem sincera, ainda não temos um plano. Temos algumas propostas, mas muitas nem valem a pena.

Por que você diz preferir seu anonimato?
Eu costumo não postar minha foto. Aquela do aniversário e casamento, ele postou escondido de mim, mas não aparece meu rosto.

Eu acho que tem que ter alguém no anonimato, mesmo que, como esposa, seja meio difícil. Mas eu acho que o anonimato ajuda, seja para poder andar no meio das pessoas, dos jornalistas, do meio político. Quando estava na Câmara dos Deputados, ninguém sabia quem eu era. E isso é muito legal, porque você acaba absorvendo coisas que jamais conseguiria se fosse pessoa pública como ele. Minhas redes sociais são todas fechadas. Eu filtro bem as coisas que posto e isso é proposital.

O que achou do episódio dele se retirar para jejuar por 21 dias?
O Daciolo sempre foi um homem de jejum e oração. É é por isso que ele vê o sobrenatural na vida dele em tantos momentos. É habitual ele fazer jejuns longos. Antes dele decidir pela campanha presidencial, ele fez um jejum de 40 dias, só bebendo água.

Então, já estou acostumada a ver isso e ajudá-lo. Quando alguém está em um jejum prolongado, não pode ter preocupações. E assim vou filtrando o que chega para ele. E por Daciolo não ter muito acesso às redes sociais, é muito fácil fazer isso. Sou uma espécie de para-raios para a vida dele.

A esposa de Daciolo é, certamente, uma mulher capacitada e bem preparada, certo?
Eu venho de um berço pobre. De um pai que era pedreiro alcoólatra e de uma mãe costureira. Venho de pais separados que brigavam muito. Mas eu sempre busquei meu “lugar ao sol”. Eu acho que a mulher tem que ser forte para isso. Tem que ter domínio da vida dela, do que ela quer.

Acredito no empoderamento das mulheres. Mulheres cristãs ou não, que criam seus filhos sozinhas, que lutam para vencer na vida, que querem estudar e crescer, que precisam sair da zona de perigo. Ainda é muito difícil para a mulher se posicionar na sociedade. Elas ainda são controladas pelos maridos.

E como uma mulher ainda vai trabalhar e deixar uma criança de 10, 12 anos ou um bebê sem ninguém para cuidar? Quase tudo fica 100% nas costas da mulher. Eu penso em lutar para dar melhores condições para essas mulheres em todos os sentidos. Seja a mulher da cidade até a mulher dos ribeirinhos, seja a empresária até a dona de casa.

O vislumbre político para Daciolo continua?
Acho que não tem como ele sair da política. Ele vai ficar um período sem mandato, mas acho que muito em breve vai ter um cargo público, vai de novo engrenar. Não sei se na próxima campanha ele vem como presidente, senador, governador, prefeito. A gente ainda não tem um plano traçado. Em tudo a gente pede direcionamento de Deus.

E as diferenças que vocês dois têm em relação a expressão da espiritualidade?
A gente lida muito bem com isso porque um acaba completando o outro. A minha opção de congregar na igreja Bola de Neve também foi por conta das minhas crianças. Para o jovem, sempre foi mais atrativo o ambiente desta igreja e eu queria manter minha família em comunhão com Deus.
E o perfil avivado de Daciolo sempre acaba “respingando” em toda família. O sobrenatural convive no meio de todos nós.

Você também fala “Glória a Deus”?
Falo muito! Lá em casa todo mundo fala muito.

É você que cuida da apresentação e aparência dele?
Sou bem preocupada com isso. Ele precisa estar impecável. E ele não tem nenhuma objeção. E falo: “Primeiro a gente vende nossa imagem, depois vem todas as outras coisas”.

Vocês têm algum acordo como casal?
Manter o amor, a chama acesa, manter o amor com os filhos, com o marido, depender de Deus. Acordos acontecem também no olhar. Se a gente se olhar, um e outro já sabem o que pensam.
Entre nós não existe intimidação ou medo. Foi o que te falei. “Vamos dar um mergulho?” Tanto da parte dele quanto da minha, vamos juntos. Por tantas coisas que fizemos acontecer no relacionamento é que estamos sempre juntos para qualquer coisa. Informações pleno.news
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário