Translate

Compartilhe

https://www.facebook.com/deltan.dallagnol/videos/1384339188276453/

search este blog

domingo, 6 de janeiro de 2019

Sem mandato, Manuela D’Ávila pede doações para combater “conservadorismo”

O período de campanha eleitoral já passou. 2019 começou com a posse do Presidente eleito, Jair Messias Bolsonaro, que deverá governar o Brasil nos próximos quatro anos. Todavia, alguns partidos políticos e suas personalidades parecem não ter se conformado com a derrota, preferindo criar medidas que visam dificultar a união do país ao invés de promovê-la.

Esse é o caso, por exemplo, do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), conhecido por militar assiduamente em prol da ideologia de gênero, legalização do aborto, das drogas e das pautas do movimento de Lésbicas, Gays, Travestis e Transexuais (LGBTT), assim como da ex-candidata a vice-presidente da chapa petista, Manuela D’Ávila (PCdoB).

Na última quarta-feira (26) o presidente nacional do PSOL, Juliano Medeiros, publicou em sua rede social uma mensagem deixando evidente como será a atuação do partido no Governo Bolsonaro, sugerindo um tipo de oposição cega e indiscriminada, tendo como único objetivo atrapalhar o andamento administrativo do país.

“O PSOL foi o único partido a não dar um único voto favorável às propostas do governo golpista de Michel Temer. É isso o que Bolsonaro pode esperar da gente. E agora, com o dobro da força”, escreveu Medeiros.
Já Manuela D’Ávila, que não terá mandato em 2019, resolveu continuar sua militância de – oposição pela oposição – através das redes sociais. Para isso ela criou um canal no Youtube onde pretende publicar vídeos para combater a “onda conservadora”.

Manuela também decidiu não manter seu canal sozinha. Ela preferiu pedir doações para quem estiver disposto à bancar sua militância, doando valores que começam com R$ 5,00. A meta é alcançar 20 mil. Segundo a ex-candidata, o objetivo é reunir recursos para produzir novos conteúdos.
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário