Translate

Compartilhe

https://www.facebook.com/deltan.dallagnol/videos/1384339188276453/

search este blog

terça-feira, 5 de maio de 2020

Guedes teme que negociar cargos com Centrão estoure gastos públicos

Uma das preocupações do ministro da Economia, Paulo Guedes, passados os ruídos com o anúncio do programa Pró-Brasil e com a demissão do ex-ministro da Justiça Sergio Moro, é política, afirmam técnicos da equipe econômica. Guedes tem acompanhado com lupa os projetos no Congresso que aumentam os gastos públicos e o apetite de partidos políticos por cargos, inclusive em órgãos e estatais ligados ao Ministério da Economia. Isso ocorre após aproximação do governo com o Centrão (grupo político do Congresso que pode aceitar cargos para apoiar o governo).

Rumores sobre uma possível perda de prestígio de Guedes com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e de uma eventual saída do governo ganharam força com o anúncio do programa Pró-Brasil, que previa investimentos públicos para reanimar a economia. O programa foi anunciado sem que o Ministério da Economia tivesse participado de nenhuma reunião e Guedes disse ser contra a medida.

Para acalmar os ânimos, Bolsonaro reafirmou que Guedes é quem o orienta sobre todas as decisões econômicas. Além disso, o presidente escolheu José Levi para o cargo de advogado-geral da União. Antes de se tornar ministro, Levi era subordinado do ministro da Economia como procurador-geral da Fazenda Nacional. Os gestos foram interpretados por políticos e técnicos da Economia como um sinal da força de Guedes.

"O ministro está preocupado com os pedidos por partidos políticos e com eventuais propostas que aumentam os gastos públicos. Não podemos passar a mensagem errada para investidores. O Brasil precisa se recuperar. Passada a pandemia, precisamos manter as reformas", declarou um técnico da equipe econômica.

Preocupação com apetite por cargos

Guedes está preocupado com os sinais políticos que têm chegado ao governo. Os partidos que compõem o Centrão querem cargos na Esplanada dos Ministérios e em estatais para dar apoio ao governo Bolsonaro.

A direção do Banco do Nordeste, vice-presidências e diretorias da Caixa e até a recriação de alguns ministérios são defendidas por alguns parlamentares, reservadamente. Isso poderia levar a um aumento de gastos públicos e o fim da unidade nas decisões do Ministério da Economia.

Deputados com ligações com igrejas também têm cobrado do governo uma solução para as dívidas tributárias das entidades religiosas com a Receita Federal. A Receita é contra a medida e Bolsonaro tem pressionado a equipe econômica por uma solução.

Alvo de parlamentares

Guedes também tem sido alvo de críticas de alguns deputados. Um deles é o 1º vice-presidente da Câmara dos Deputados, Marcos Pereira (Republicanos-SP). Apontado como candidato à sucessão de Rodrigo Maia (DEM-RJ) na Presidência da Câmara, Pereira tem mandado sinais ao Ministério da Economia.

No primeiro deles, em 14 de abril, Pereira criticou Guedes explicitamente. "Paulo Guedes assumiu o Ministério da Economia dizendo que queria 'menos Brasília, mais Brasil'. Pois bem. Agora que aprovamos o reforço nos caixas de estados e municípios, o ministro quer vetar. Em qual Paulo Guedes devemos acreditar?", escreveu o parlamentar no Twitter.

Guedes se posicionou contra o projeto aprovado pela Câmara que determinava que a União cobriria as perdas de arrecadação dos estados e municípios.

Em artigo publicado na última segunda-feira (4) no site do partido, Pereira voltou a criticar Guedes indiretamente. Ele afirmou que o país precisa de uma política de reindustrialização e citou uma frase dita por Guedes de que o Ministério da Indústria e Comércio (Mdic) se transformou em "trincheira da primeira guerra mundial" na defesa de protecionismos.

"Como ex-ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços por dois anos, e cuja pasta infelizmente foi incorporada ao Ministério da Economia acusada de ser a "trincheira da Primeira Guerra Mundial", eu reafirmo: o Brasil precisa, sim, de uma fortíssima política de reindustrialização. O presidente da República, Jair Bolsonaro, como nacionalista que é, deveria pensar seriamente na questão", afirmou Pereira.

Procurado para comentar o assunto, o Ministério da Economia não se manifestou. O deputado Marcos Pereira não respondeu às ligações e às mensagens enviadas pela reportagem. uol

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário