Translate

Compartilhe

https://www.facebook.com/deltan.dallagnol/videos/1384339188276453/

search este blog

sábado, 27 de junho de 2020

Ministério da Saúde anuncia parceria para produzir até 100 milhões de doses de vacina contra a covid-19

O Ministério da Saúde anunciou neste sábado (27), em coletiva no Palácio do Planalto, em Brasília, uma parceria para o desenvolvimento e a produção de vacina contra a covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus. Se demonstrada eficácia, serão 100 milhões de doses à disposição da população brasileira, de acordo com o governo federal.

O acordo, fechado com a Universidade de Oxford e o laboratório AstraZeneca, prevê a compra de lotes e da transferência de tecnologia, envolvendo participação do Brasil produção e no desenvolvimento da vacina que é considerava uma das mais promissoras do mundo entre as mais de 200 sendo pesquisadas. Nesta fase inicial, serão dois lotes de insumos e transferência de tecnologia: um em dezembro de 2020 e outro em janeiro de 2021.

— Estamos colocando o país na liderança do desenvolvimento da vacina contra o coronavírus — garantiu o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco.

O ministério explica que, na fase inicial, em que o Brasil assume também os riscos da pesquisa, serão 30,4 milhões de doses da vacina, no valor total de US$ 127 milhões. Se a vacina for segura e eficaz e tiver o registro no Brasil, serão mais 70 milhões de doses, no valor estimado em US$ 2,30 por dose.

O governo reconhece que a vacina ainda não é considerada segura nem eficaz. Se comprovada a segurança e eficácia da vacina, o Brasil deverá produzir mais 70 milhões de doses.

"O governo federal considera que esse risco de pesquisa e produção é necessário devido a urgência pela busca de uma solução efetiva para manutenção da saúde pública e segurança para a retomada do crescimento brasileiro", informou a pasta, em nota.

— Depois do Reino Unido, o Brasil foi primeiro a iniciar os estudos de eficácia da vacina contra covid-19. É o único estudo clínico de vacinas da América Latina — destacou a diretora de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde, Camile Giaretta Sachetti.

A vacina está sendo desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, e pelo laboratório AstraZeneca. No Brasil, a tecnologia será desenvolvida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), fundação do Ministério da Saúde.

— Ótima parceria, mas a vacina tem que funcionar – e a longo prazo. Esse é o quesito básico que a gente não sabe ainda. Essa vacina vai passar por testes ainda — diz Alexandre Zavascki, professor de Infectologia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e chefe do setor de Infectologia do Hospital Moinhos de Vento.

Participam do anúncio, além de Elcio Franco, do Ministério da Saúde, também o secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Correia de Medeiros, o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Hélio Angotti Neto, e a diretora de Ciência e Tecnologia da Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos, Camile Giaretta Sachetti. Gaucha

Acompanhe como foi a coletiva:

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário