Translate

Compartilhe

https://www.facebook.com/deltan.dallagnol/videos/1384339188276453/

search este blog

segunda-feira, 20 de julho de 2020

Governo quer criar duas gratificações para militares e elevar remuneração a até r$ 7 mil

BRASÍLIA - O governo Jair Bolsonaro pretende criar duas categorias de cargos e gratificações dentro do Poder Executivo a serem ocupados exclusivamente por militares, com remunerações maiores que os valores atuais. Oficiais que hoje recebem até R$ 1.734,92 para exercer cargo de confiança na administração podem passar a receber até R$ 6.991,73, mais de seis vezes o salário mínimo (R$ 1.045), de acordo com minuta de Medida Provisória à qual o Estadão/Broadcast teve acesso.

Os praças, militares de patente mais baixa que têm reclamado do tratamento mais favorável dado pelo governo aos oficiais, também terão lugar cativo no Executivo e poderão receber gratificações de até R$ 2.591,46, o equivalente a dois salários mínimos e meio.

Os valores, segundo outro documento obtido pelo Estadão/Broadcast, foram questionados internamente pelo Ministério da Economia, que viu “aumento significativo” nas remunerações.

Após editada, uma Medida Provisória tem vigência imediata, mas precisa ser aprovada pelo Congresso Nacional em até 120 dias. Segundo apurou a reportagem, o texto está na Casa Civil – comandada pelo general da reserva Walter Braga Netto – e foi colocado entre as prioridades de análise do órgão.

Na área econômica, a avaliação é que o calendário político “não está favorável” a uma proposta como essa. O Ministério da Defesa, por sua vez, informou que o “estudo”, iniciado antes da pandemia da covid-19, “não deve avançar” devido à limitação a aumentos de despesa com pessoal imposta até o fim de 2021 pela Lei Complementar 173, que selou o socorro financeiro a Estados e municípios e fixou a mesma proibição para os governos regionais.

Técnicos do governo, porém, veem espaço para a edição da MP porque, segundo uma fonte que participa das discussões, a reorganização não resultará em aumento líquido de despesa. O próprio Ministério da Economia reconheceu, em resposta à reportagem, que a lei permite, em tese, reestruturar cargos desde que não haja alta nos gastos.

Mais vantagens

Além da reserva de vagas dentro do Executivo, a proposta prevê que os militares poderão acumular a remuneração integral dos cargos e funções com aquela recebida pelo posto ocupado na hierarquia militar. Eles poderão receber 100% de ambas, enquanto servidores indicados para cargos civis terão de escolher entre possibilidades menos vantajosas – uma delas é receber o salário do cargo efetivo de origem mais 60% da remuneração comissionada.

O texto também permite que militares continuem sendo designados para cargos e funções destinadas a civis. Relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) mostrou que a quantidade de militares da ativa e da reserva em postos civis mais que dobrou no governo Bolsonaro e passou de 2.765 em 2018 para 6.157 em 2020. No mesmo período, o número de militares que ocupam cargos comissionados cresceu de 1.934 para 2.643.

Além da maior participação no governo, os militares foram a categoria mais recente contemplada com reajustes de soldos e gratificações, aprovados na reestruturação da carreira vigente desde o fim de 2019. Enquanto isso, a maior parte dos servidores civis está com salários congelados há quase três anos.

Reorganização de cargos comissionados

A criação dos cargos exclusivos para militares foi inserida dentro de uma proposta de reorganização dos cargos comissionados, funções gratificadas e gratificações do Poder Executivo. Desde a transição de governo, a equipe econômica trabalha numa simplificação dessas classificações, que somam 34 tipos diferentes e engessam a gestão do quadro de pessoal.

A proposta é criar quatro tipos de cargos e funções: Cargo Comissionado Executivo (CCE), Função Comissionada Executiva (FCE), Cargo Comissionado Militar (CCM) e Gratificação de Militares Fora da Força (GMFF).

Os CCEs devem cumprir o mesmo papel dos atuais DAS, cargos de direção e assessoramento dentro da administração, além de outros cargos de chefia em agências reguladoras, por exemplo. Dos 17 níveis propostos, os 13 maiores podem ser ocupados por pessoas de fora do funcionalismo. Os valores vão de R$ 330,79 a R$ 17.432,15, sendo que a maior remuneração é exclusiva dos cargos de natureza especial e chefes de agências reguladoras (cuja gratificação já está hoje na casa dos R$ 17 mil).

 AS FCEs, por sua vez, seriam semelhantes às atuais funções gratificadas, que precisam ser ocupadas por servidores públicos. Os valores vão de R$ 330,79 a R$ 10.166,94.

Os Cargos Comissionados Militares são exclusivos de militares oficiais da ativa das Forças Armadas e das forças auxiliares (polícias militares e corpos de bombeiros) que estejam em efetivo exercício na Presidência da República ou no Ministério da Defesa. Serão cinco níveis, com remunerações de R$ 2.701,46 a R$ 6.991,73.

Já as gratificações militares são destinadas aos praças, também nos casos em que eles estejam exercendo funções na Presidência ou no Ministério da Defesa. São cinco níveis, com valores de R$ 999,54 a R$ 2.591,46.

Hoje os militares recebem a Gratificação de Exercício de Cargo de Confiança Devida a Militares (RMP), em cinco níveis que vão de R$ 1.184,88 a R$ 1.734,92, ou a Gratificação de Representação, que tem diferentes tipos e cujo valor máximo é de R$ 1.156,31. Apenas 90 postos para quem trabalha no Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam) recebem gratificação maior, de R$ 2.647,43 a R$ 4.079,20.

Os militares também podem ser nomeados em cargos civis por meio dos DAS, cuja remuneração vai até R$ 16.944,90.

Procurado, o Ministério da Economia informou que é uma “diretriz” buscar a racionalização da gestão e alternativas para a otimização das despesas com cargos comissionados e mobilidade de servidores. “Propostas nesse sentido estão permanentemente em análise e desenho pela equipe técnica do Ministério da Economia, e faz parte desse processo consultas a outros órgãos públicos, inclusive às áreas técnicas do Ministério da Economia, Casa Civil, e outros ministérios”, diz a nota.

A Economia destacou ainda como premissas de “qualquer proposta de reorganização de cargos” a manutenção da despesa, com previsão de redução gradual, a preservação das posições e remunerações dos atuais ocupantes dos cargos em análise e a readequação “apenas para ocupações futuras”. A pasta, porém, não respondeu sobre a justificativa para a criação de cargos privativos para militares.

Embora tenha dito que o estudo "não deve avançar", o Ministério da Defesa informou que as negociações estavam inseridas “dentro de um contexto de redução de tipificações de cargos que está sendo conduzida pelo Ministério da Economia, tanto para civis quanto para militares, e busca também a isonomia entre as remunerações”. A Casa Civil não respondeu até a publicação deste texto.

Gabinete de Segurança Institucional não apresentou cálculos, mas defendeu a necessidade de 'corrigir distorções'

BRASÍLIA - O aumento da remuneração dos militares por meio da criação de cargos exclusivos para a categoria chamou a atenção da área econômica, que questionou os militares sobre as mudanças. Em documento obtido pelo Estadão/Broadcast, o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) responde a uma série de perguntas sobre esse ponto feitas pelo Departamento de Modelos Organizacionais do Ministério da Economia.

“Levando-se em consideração a correlação das gratificações existentes e dos cargos em comissão que se pretende criar, conforme tabela abaixo, verifica-se aumento significativo quanto aos valores de remuneração. Tendo em vista que a inflação acumulada nos últimos dez anos foi de 61,81%, seria possível informar se foi utilizado algum índice de reajuste de valores? Haveria memória de cálculo?” questiona a área econômica.

O Ministério da Economia também observou que os valores propostos, principalmente para os Cargos Comissionados Militares (privativo a oficiais militares), “correspondem a até 88% dos valores de soldos atuais de militares”. A pasta pediu detalhes sobre os “argumentos técnicos e a necessidade avaliada que levaram à propositura de tais valores de remuneração”.

Na resposta, o GSI não apresentou cálculos, mas defendeu a necessidade de “corrigir distorções” entre os valores pagos a ocupantes de cargos civis e as remunerações a militares. “A diferença entre os valores é, em média, de 600% a mais, no caso dos servidores civis”, afirma o órgão em nota técnica.

O órgão militar reconhece que os valores propostos “não dizem respeito a qualquer índice de reajuste ou recomposição das perdas inflacionárias”, mas reforça que o objetivo é “corrigir a enorme disparidade entre as remunerações das tipologias existentes na Presidência da República, Vice-Presidência da República e no Ministério da Defesa”. 

Segundo o GSI, é preciso que a remuneração esteja de acordo com “o conjunto de atribuições e responsabilidades da atividade exercida, independente de outros fatores”.

A reportagem questionou o Ministério da Economia, por meio de sua assessoria de imprensa, se há concordância com os valores de remuneração propostos pelos militares, mas não houve resposta em relação a esse ponto. A pasta também não detalhou se o aumento das remunerações dos militares resultará em redução para os civis. O GSI não respondeu.

Disponibilidade

No documento interno, a Economia também questionou o GSI sobre as justificativas apresentadas para a criação dos cargos militares, de que eles exercem “atividade de alto risco e possuem regime de dedicação exclusiva”, e perguntou se essas particularidades não seriam “inerentes à função militar”.

O GSI, por sua vez, respondeu que a atividade de segurança exige “mais especialização do que o usual” e que “a disponibilidade também vai além do que é regular”.

Na última reestruturação da carreira dos militares, o governo propôs e o Congresso Nacional aprovou a criação de um adicional de disponibilidade, que vai de 5% a 41% do soldo, justamente para compensar a disponibilidade permanente e a dedicação exclusiva. As Forças Armadas também foram contempladas com um aumento no adicional de habilitação, pago conforme o nível de instrução do integrante da tropa, que vai de 12% a 42% do soldo. Em 2023, o porcentual máximo chegará a 73% do soldo.

 Estadão

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário