Translate

Compartilhe

https://www.facebook.com/deltan.dallagnol/videos/1384339188276453/

search este blog

terça-feira, 13 de novembro de 2018

”Eficiência: Muito além do som” - Ester Muniz - "Um convite a diversidade"

Para os surdos, a surdez não é uma deficiência, mas caracteriza-se por uma única de experimentar o mundo, revelando potencialidades, expandindo oportunidades para construção de uma cultura própria que não se identifica pelo que ouve ou não. Para a comunidade surda não há “perda auditiva”, mas sim um “ganho surdo”.

Foram essas considerações que motivaram a iniciativa de construção do livro reportagem perfil: ”Eficiência: Muito além do som”, que conta histórias de vida de surdos em Juazeiro-BA e Petrolina-PE, no sertão nordestino. O produto corresponde a um trabalho de conclusão do curso de Jornalismo, da aluna egressa do DCH/Campus III – UNEB, Ester Muniz, sob orientação da Profª Ms. Teresa Leonel.

A jornalista considera que a falta do recurso auditivo natural é apenas um atributo que torna a comunidade surda provida de características próprias e inteiramente eficientes. A surdez deve ser percebida como uma possibilidade de maior eficiência de outros sentidos, legitimando o modo de existir da comunidade surda, onde a ausência auditiva não é sinônimo de deficiência, mas uma ampliação da exploração sensorial. 

Ester fala sobre seu interesse inicial na abordagem da temática sobre pessoas surdas, para isto ela afirma: “No início de 2007 comecei a fazer, na igreja, um curso de LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais, a língua dos surdos, pela qual sempre nutri certa simpatia, mas nunca busquei pesquisar a fundo. Quando o professor começou a falar da história dos surdos, como eles eram vistos, comecei a prestar atenção no quanto até hoje eles não eram percebidos, pelo menos não por mim.”

”Eficiência: Muito além do som”, trás narrativas de pessoas surdas a partir de suas experiências existências, reforçando a relevância de que, quando falamos da cultura surda há a necessidade de despertar a sociedade para a prática da alteridade, ou seja, para o ato de uma cidadania que se configure por relações pacíficas e construtivas com a diferença. 

A autora propôs em sua obra, elementos que integram o respeito humano e a acessibilidade, por meio de uma inclusão que enfatiza a igualdade a partir da diversidade, advertindo para uma modificação social capaz de acolher as especificidades da cultura surda, bem como sua pertinência para a formação da identidade e para o reconhecimento das diferenças características do surdo.
Fonte: DCH
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário