Translate

Compartilhe

https://www.facebook.com/deltan.dallagnol/videos/1384339188276453/

search este blog

quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

Cristãos oram pela paz e reconhecem opositor como novo presidente da Venezuela

Os protestos contra a ditadura de Nicolás Maduro na Venezuela têm mobilizado também os evangélicos do país. Desde o dia 10 de janeiro, quando o ditador assumiu mais um mandato após eleições consideradas fraudulentas, diversos grupos cristãos se mobilizaram para orar pela paz na nação.
Uma cena comum no país é ver grupos de cristãos reunidos em espaços públicos para orar pedindo bênçãos sobre a Venezuela, ao mesmo tempo em que outros cidadãos protestam contra o chavismo, que levou o país a uma situação calamitosa.
“Juntos como uma família, pediremos a Deus que através do Seu Espírito Santo cuide, dirija e abençoe nossa nação nesta hora crítica de sua história”, comentou o pastor Samuel Olson em um vídeo compartilhado nas redes sociais.
Olson é presidente do Conselho Evangélico da Venezuela, que apoia as reuniões de oração e prol da democracia e restauração econômica e social no país, de acordo com informações do portal Evangelical Focus.
Os gestos de oração, porém, não foram as únicas manifestações dos cristãos no país: a União Confederativa de Igrejas Cristãs da Venezuela foi enfática em uma declaração pública que reconhece o presidente do Parlamento e líder da oposição, Juan Guaidó, como novo presidente interino da república.
A entidade referiu-se a Guaidó como chefe do país “chamado a conduzir a nação neste período de transição”. Guaidó recebeu o reconhecimento de onze países para seu mandato interino, incluindo Brasil, Colômbia, Argentina e Estados Unidos. Ele deverá convocar novas eleições para a sucessão de Maduro.
No comunicado, a União Confederativa de Igrejas Cristãs também pediu pelo “fim da usurpação da presidência da República” que o sistema chavista implantou, e ainda que seja levantado “um governo urgente de transição e eleições livres no contexto de um grande acordo nacional”.
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário