Translate

Compartilhe

https://www.facebook.com/deltan.dallagnol/videos/1384339188276453/

search este blog

quinta-feira, 2 de abril de 2020

Concorrência entre países derruba entregas de equipamentos que Brasil comprou da China, diz ministro

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse nesta quarta-feira (1º) que a concorrência com outros países fez com que fornecedores de equipamentos na China cancelassem contratos de venda de equipamentos médicos, incluindo máscaras e respiradores.

O ministério tinha a previsão de uma entrega de 200 milhões de equipamentos de proteção que foi cancelada. Mandetta culpou a concorrência entre países, que cobrem ofertas para levar a produção já contratada por outros. 

"Às vezes chegam pessoas e falam para quem vendeu: 'olha, você vendeu por quanto? vendeu por 10. E a multa? É tanto, 20%. Bom então tá, então eu pago a multa, pago os 10 e pago mais tanto para você vender pra mim'. Então a coisa está dessa maneira", disse Mandetta. 

 "Hoje os Estados Unidos mandaram 23 aviões cargueiros para a China para levar o material que eles adquiriram. As nossas compras, que nós tínhamos expectativa de concretizá-las para poder fazer o abastecimento, muitas caíram." - Mandetta

Mandetta usou a compra de respiradores com exemplo da instabilidade nas relações de compra e venda com a China.

"Hoje, nós conseguimos fazer uma possível compra. Assinamos e empenhamos, adiantamos, uma possível compra de 8 mil respiradores. Queremos receber. Ele tem 30 dias para nos entregar. Se entregar, ótimo, ótimo. O cenário muda nos respirador, porque 8 mil respiradores, eu acalmo SP, MG, RJ. Acalmo as capitais. A coisa anda", disse. 

"(Mas) eu não quero vir aqui e falar: 'Eu tenho tanto. Está comprado'. Está havendo uma quebra entre o que você compra, assina e o que, efetivamente, você recebe", disse Mandetta. 

"O nosso problema é que este vírus ele foi extremamente duro e derrubou, machucou, inutilizou, parou a produção dos equipamentos de proteção individual que os hospitais utilizam no mundo todo", disse Mandetta. 

O ministro afirma que espera a regularização do mercado. "A gente espera que a China volte a ter uma produção mais organizada e a gente espera que os países que fizeram, que exercem o seu poder de compra, que eles já tenham se organizado, e tenham se saciado das suas necessidades para que o Brasil possa entrar e comprar também para proteger o nosso povo", disse o ministro.G1
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário