Translate

Compartilhe

https://www.facebook.com/deltan.dallagnol/videos/1384339188276453/

search este blog

sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

Estudantes do Recife ganham celulares e plano de dados para estudar para o Enem

 

Alunos de uma escola do Recife que estavam com dificuldades para estudar para o Enem receberam uma ajuda do Unicef.

Quatro irmãos e um celular. Todo dia tem disputa para acompanhar as aulas online. Sobra para a mãe. “Muita confusão. É a minha vez de pegar o celular, é minha vez de pegar o celular. Eu tenho que ficar mudando os horários”, conta a dona de casa Samara Farias.

A estudante Jaiane Farias está na reta final para o Enem e não consegue acompanhar o conteúdo. “Não estudei muito este ano, não. Mal consegui entender as aulas”, lamenta.

A falta do celular não é a única barreira que separa os estudantes das comunidades mais vulneráveis da oportunidade de acompanhar as aulas em casa, de forma remota. Esse novo jeito de estudar em tempos de pandemia ainda é uma exceção para as famílias que não podem pagar pela internet, como na casa da Jaiane.

Os pais estão desempregados. Não podem pagar por um plano de dados. “Atrapalhou porque eles não estão podendo aqui ter as atividades normalmente como tinham na escola”, diz Jailton Fortunato.

“Eu fico meio magoado por não estudar, não assistir às aulas. E os outros assistem. Isso pode prejudicar o meu futuro”, conta o estudante João Pedro Farias.

A realidade começou a mudar para Jaiane e 99 estudantes de uma escola pública no Recife. Eles receberam celulares novinhos do Unicef e um plano de dados para estudar para o Enem.

“Muitos adolescentes jovens estão desconectados, estão mais vulneráveis. Então é muito importante assegurar que eles tenham os mesmos direitos que as outras crianças e adolescentes neste momento”, afirma Denis Larsen, coordenador do Unicef.

Tamara voltou para casa como se levasse um tesouro. Com celular novo, ficou mais perto do sonho de estudar psicologia. “Nem todo mundo tem acesso à internet. Vai ajudar muitos alunos que estão nesta dificuldade”, afirma.

JN

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário