Translate

Compartilhe

https://www.facebook.com/deltan.dallagnol/videos/1384339188276453/

search este blog

terça-feira, 14 de abril de 2020

Coronavírus: como a pandemia afeta profissionais autônomos e quais saídas buscar

Insegurança. Esta talvez seja a palavra que mais tem perseguido os trabalhadores autônomos durante as medidas de combate e prevenção ao coronavírus. Como são profissionais que exercem atividades por conta própria, muitos têm enfrentando um mar de incertezas e buscado saídas, afinal, as contas não param de chegar e precisam ser pagas em dia.

Caso de Douglas Souza, de 41 anos, que é pedreiro e trabalha com acabamentos. Antes, ele tinha que agendar as demandas que chegavam pela alta procura por seu serviço. Desde o início de março, porém, pegou apenas duas obras, uma de quatro dias e outra de três. Muitas pessoas têm evitado mexer com obras para poupar dinheiro, enquanto outras temem receber os profissionais em casa justamente pelo medo da transmissão do coronavírus. Isso afetou Souza, que é separado, tem três filhos e paga pensão por dois deles.

"Recebo pelo serviço que faço, mas ninguém tem feito nada. Minha renda dependia toda dos serviços que pegava como pedreiro. Mesmo que peçam pra que eu fique em casa, é difícil pra mim. Todo dia 23 eu preciso pagar pensão. Agora, estou correndo atrás do valor para pagar a pensão do mês de abril", comenta.

Souza mora na casa da mãe, que faleceu há cerca de um ano. Uma saída encontrada por ele foi fazer salgados para vender sob encomenda, o que está bem recente e ainda não cobre suas despesas. Ele mora em Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte, recebe os pedidos por telefone e prepara na quantidade que o cliente deseja.

"Como eu moro sozinho, com pouca coisa eu consigo me manter. Mas chega (conta de) água, luz, e preciso pagar. Tudo transformou. Sendo autônomos, como vamos sobreviver? Agora é esperar o tempo passar e ver se melhora, mas correndo atrás de outras coisas pra ver se consigo arrumar dinheiro. Há mais de 20 anos, eu mexia com salgado. Então me juntei com uma amiga, e começamos a fazer agora. Vendemos por encomenda, mas a venda ainda não está grande", aponta Souza.

Não só a construção civil teve baixas. Sem aulas em instituições públicas e privadas de ensino desde março, Marília Duarte, de 42 anos, teve que encostar a van escolar. A Tia Lila, como é conhecida, transportava em média 60 crianças e adolescentes para creches e escolas diariamente, o que não acontece desde o dia 19 do último mês. Sem trabalhar desde então, alimenta a preocupação por depender integralmente da renda proveniente do trabalho.

"A gente fica insegura porque essa é minha única renda. As contas não param. Vem prestação da van, do apartamento, despesas da casa, gastos com alimentação e saúde. Tenho duas funcionárias no escolar. Uma fica na porta da escola, e a outra fica na van comigo. Combinei com elas de pagar proporcional ao que recebo. Temos combinado, porque também não quero dar prejuízo a elas", conta.

Em contato com a reportagem, Tia Lila afirmou que alguns pais têm pagado a mensalidade, mas outros, não. Ela mora com a filha de 16 anos e já começou a organizar as contas para driblar os reflexos da pandemia. As duas, inclusive, têm pensado em um plano B, caso a situação não melhore.

"Cortei academia, clube, TV a cabo, e temos priorizado as coisas mais importantes, como alimentação, contas de água e luz, por exemplo. Vamos tirando aqui e ali para ver como fica. Sem escola, não tenho renda. Pensei até em ir para o interior, na casa dos meus pais, pelo menos até ver que rumo as coisas vão tomar. É meu plano B. Não consigo segurar porque não tenho poupança. No ano passado, tive problemas de saúde, operei, e foi quando gastei toda a minha reserva", comenta.

Há mais de um mês sem trabalhar, a esteticista Sirlene Maciel encontrou em uma lembrança do passado uma saída em meio à crise. Como clínicas de estética não se enquadram nos chamados "serviços essenciais", ela está impossibilitada de exercer a profissão, mas tem feito máscaras em casa para vender. Sirlene mora com dois filhos e com a avó, de 90 anos. Antes, atendia em uma sala dentro de uma clínica de estética quatro vezes por semana.

"Tem uns 15 dias que comecei a fazer máscara porque vi que não conseguiria ficar parada. Precisava trabalhar pra complementar a renda. Tive a ideia de buscar os moldes e buscar tecido. Eu não sabia costurar. Há muitos anos, morei com uma tia, e ela costurava. Vendo ela costurar, comecei a ter essa noção. Com isso tudo de agora, procurei moldes de máscaras e comecei a fazer", conta. "Tudo foi reduzido aqui em casa. Temos economizado bastante, e pensei nessa forma de ter um dinheiro agora", completa.

De olho no bolso

É inevitável pensar que a pandemia do coronavírus vai afetar a economia mundial, refletindo-se nas rotinas das pessoas. As projeções dos economistas não são muito claras, mas O TEMPO conversou com o consultor financeiro Carlos Eduardo Costa para saber como a vida financeira pode ser organizada neste momento de tanta insegurança. O momento é de manter a calma e buscar saídas para diminuir despesas e aumentar a renda.

- Como organizar a vida financeira neste momento de incertezas?

Carlos Eduardo: Antes de mais nada, é importante que a pessoa tenha consciência das suas contas. Organizar e levantar tudo o que gasta. É importante não ficar na armadilha de pensar que a gente consegue levantar os nossos gastos só na memória. Talvez alguns a gente até consiga, como aquilo que a gente paga só uma vez por mês, como prestação da casa própria, a mensalidade do plano de saúde ou a escola do filho. Mas a maior parte das nossas despesas a gente não faz uma vez só, como ir ao supermercado, à padaria, colocar gasolina. 

É preciso ter um controle maior sobre isso para saber efetivamente para onde nosso dinheiro vai. Quando a receita diminui, temos que privilegiar as despesas essenciais para viver neste momento. Abrir mão daquilo que não é tão fundamental. Claro que nossos gastos são importantes para nós, mas óbvio que tem uns mais e outros menos importantes, e por isso temos que privilegiar o que é mais importante, como alimentação e gastos ligados a moradia. O primeiro passo é um choque na diminuição de despesas.

- E para quem é autônomo?

Carlos Eduardo: É importante pensar se há formas, sendo autônomo, de continuar fazendo o produto ou vendendo o serviço para os clientes. Nesse sentido, as redes sociais podem ser grandes aliadas, como WhatsApp e Instagram. É ver se é possível continuar em contato com o seu público, oferecendo o serviço com novas alternativas de entrega. Se sou autônomo em que o serviço não pode ser prestado agora, uma alternativa é fazer campanhas de vendas antecipadas, de pacotes com desconto, por exemplo, tentando eventualmente até mudar o foco do trabalho. É momento de ser criativo.

- Como buscar saídas?

Carlos EduardoMuitas empresas têm oferecido cursos gratuitos, por exemplo. Como muitas pessoas estão com um tempo mais livre, é interessante buscar mais qualificações para esse novo mercado, até para descobrir uma tarefa nova que pode ser feita. Pode ser interessante caminhar nesse sentido. Acho que, depois dessa pandemia, muitos de nós vamos refletir sobre o consumo também, se realmente é preciso de tudo que achávamos que precisávamos.

- É possível fazer projeções para a nossa economia?

Carlos EduardoDiria que essa é uma pergunta de um milhão de dólares, porque ninguém tem resposta. É algo muito novo, ainda não tínhamos vivido algo assim. O mundo inteiro está sofrendo com as consequências disso. Um ponto é óbvio: as economias serão muito afetadas. Temos projeções de que, neste ano, haverá uma queda de 5% no PIB no Brasil, o que é muito. Nunca tivemos isso.

- Mas como será a recuperação? 

Carlos EduardoAqui entra uma divergência entre economistas. Alguns dizem que será rápida, como num formato de "V", em que a gente cai, bate lá embaixo e volta de novo. Outros esperam algo em formato de "U", em que a gente cai, fica um tempo lá embaixo e sobe. Já outros esperam algo em "L", em que a gente cai e permanece. Tudo depende de como as coisas vão acontecer, e essa é a maior incerteza, porque estamos nos preparando para algo que não sabemos.
 otempo
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário